Matteo Renzi demitiu-se esta quarta-feira do cargo de primeiro-ministro de Itália, após a derrota em referendo de uma revisão constitucional que defendia e um pequeno adiamento da demissão para o parlamento aprovar o Orçamento do Estado para 2017.

O anúncio da formalização da demissão foi feito esta quarta-feira à noite pelo secretário-geral da República italiana, Ugo Zampetti, numa breve comparência perante a imprensa. Com a intenção de formalizar a demissão, Renzi dirigiu-se na segunda-feira, um dia depois do referendo, ao palácio presidencial, para entregar o pedido ao chefe de Estado, Sergio Mattarella, mas este pediu-lhe que adiasse a decisão durante o tempo necessário para o parlamento aprovar a lei orçamental do próximo ano, o que aconteceu agora.