BPN

Nacionalização do BPN pode custar mais de 5,4 mil milhões de euros aos contribuintes

243

Tribunal de Contas admite que saldo negativo da nacionalização do BPN atinja 5,4 mil milhões se o Estado suportar as perdas das sociedades que gerem ativos do banco. BIC já recebeu mais do que pagou.

Jos

O Tribunal de Contas estima que a nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN) possa vir a custar um total de 5,4 mil milhões de euros ao Estado, valor esse que ainda pode subir. Os números constam do parecer à Conta Geral do Estado de 2015, divulgada esta terça-feira e resultam da soma entre os saldos já apurados até ao ano passado, no valor de 3.241 milhões de euros, e os capitais próprios, negativos em 2.201 milhões de euros, registados pelas sociedades detidas pelo Estado e que ficaram a gerir a herança do BPN.

O saldo negativo apurado até ao final do ano passado, de 3.241 milhões de euros, compara com as perdas de 2.647 milhões registadas em 2014.

“No final de 2015, a Parvalorem, a Parups e a Parparticipadas apresentavam capitais próprios negativos 2.201 milhões de euros, encargos que poderão vir a ser suportados pelo Estado no futuro. Se somados os encargos já suportados, refletidos no saldo global, totalizavam então 5.441 milhões de euros a que irão acrescer resultados negativos de exercícios seguintes”.

As três sociedades ficaram responsáveis por gerir os ativos do BPN que o comprador não quis assumir e que consistem em créditos bancários de má qualidade, participações em sociedades (a maioria das quais vendida) e património imobiliário (imóveis e fundos imobiliários). Uma boa parte do défice das empresas resulta da circunstância do retorno obtido na exploração destes ativos se revelar insuficiente para estas sociedades reembolsarem o financiamento que foi atribuído pela Caixa Geral de Depósitos ao antigo BPN.

Em relação ao saldo negativo apurado por estas sociedades em 2015, no valor de 594 milhões de euros, o Tribunal de Contas assinala o impacto dos reembolsos à Caixa, mas também a retenção de 45 milhões de euros da dissolução do fundo imobiliário Imoglobal para pagamento da comissão de gestão, impostos, taxas e despesas diversas, “o que mostra que elevadas despesas (e receitas) decorrentes da nacionalização e reprivatização do BPN e da constituição e funcionamento das sociedades-veículo não estão especificadas pelo valor bruto efetivo”.

BIC já recebeu mais do que pagou pelo BPN

Outra operação destacada é o aumento de capital de 52 milhões de euros, realizado ao Banco Efisa no quadro da sua venda a privados, decidida pelo anterior Governo. Esta verba permitiu ao Efisa reembolsar o crédito atribuído pelo BPN e que passou para o BIC Portugal, a instituição que comprou a parte boa do banco em 2012.

E a propósito desta operação, o Tribunal de Contas destaca que os pagamentos realizados pelo Estado — via Direção Geral do Tesouro e Finanças — ao abrigo das cláusulas do contrato de venda ao BIC atingiam já 63 milhões de euros no final de 2015, um valor que supera o preço pago pelo banco de capitais angolanos e que foi de 40 milhões de euros, um negócio conduzido pela então secretária de Estado do Tesouro, Maria Luís Albuquerque.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
PGR

Marx, Maçonaria e Marcelo /premium

Helena Matos

O PS manda. O PCP governa-se. O BE policia. O PR diverte-se. A democracia apodrece. E, sim, porque havemos de querer contrariar este estado de coisas? Não podemos deixar-nos ir simplesmente?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)