Ainda não há acordo entre os credores internacionais e a Grécia, mas foram feitos progressos significativos e a troika vai voltar a Atenas para continuar a discutir a segunda revisão do terceiro resgate à Grécia, indicou esta sexta-feira o presidente do Eurogrupo.

Numa mensagem após uma reunião esta sexta-feira em Bruxelas entre a Comissão Europeia, o Fundo Monetário Internacional, o Mecanismo Europeu de Estabilidade e o ministro das Finanças grego, o presidente do Eurogrupo disse que foram feitos “progressos substanciais” e que as partes estão “perto de encontrar terreno comum”, mas apenas para que a missão volte a Atenas na próxima semana.

A falta de acordo na reunião desta sexta-feira impossibilita um ‘sim’ dos ministros das Finanças no Eurogrupo que se realiza a 20 de fevereiro em Bruxelas. Os credores da Grécia têm estado divididos sobre a dimensão do alívio na dívida que a Grécia necessita e quanta austeridade deve ser imposta.

Segundo o jornal grego Kathimerini, os credores terão resolvido as suas diferenças e apresentaram uma frente unida na reunião, exigindo às autoridades gregas que adotem medidas antes que valem 2% do PIB antes de ser aprovada a próxima revisão.

Entre as medidas estarão mais cortes nas pensões, algo que o governo grego tem rejeitado veementemente, e o alargamento da base tributária.