Dark Mode 112kWh poupados com o Asset 1
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Hoje é um bom dia para mudar os seus hábitos. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Líder do UKIP falha assalto eleitoral ao parlamento britânico

Paul Nuttall queria chegar ao Parlamento britânico através de umas eleições locais em Stoke-on-Trent, a "capital do Brexit". Resultados das eleições intercalares foram um pouco diferentes do esperado.

i

Paul Nuttal é o líder do Partido da Independência do Reino Unido (UKIP).

Paul Nuttal é o líder do Partido da Independência do Reino Unido (UKIP).

O líder do Partido da Independência do Reino Unido (UKIP), Paul Nuttall, foi derrotado pelo candidato do Partido Trabalhista nas eleições intercalares de Stoke-on-Trent, no Reino Unido. Nuttall jogava a sua entrada no Parlamento britânico ao apresentar-se como candidato nas eleições locais, mas Gareth Snell conseguiu segurar o lugar historicamente conquistado pelos trabalhistas naquela localidade, com uma vantagem de cerca de 262o votos sobre o adversário.

A renúncia de Tristam Hunt — que em 2015 desafiou, sem sucesso, Ed Miliband nas eleições para a liderança do Partido Trabalhista e que agora vai liderar o Museu Victoria e Albert –, a 13 de janeiro, deu lugar a uma eleição que tinha tudo para ser uma rotineira escolha local para substituir o lugar deixado vago pelo deputado no Palácio de Westminster. Mas que acabou por revelar-se uma batalha para travar a ascensão do UKIP.

Paul Nuttall, natural de Bootle, uma localidade a uns 100 quilómetros a norte de Stoke-on-Trent, lançou-se como candidato do seu partido. E fazia-o naquela que foi batizada de capital do Brexit, tal foi a vitória que o “sim” à saída do Reino Unido da União Europeia obteve no referendo do ano passado. De resto, a oportunidade podia sair duplamente benéfica a Nuttall: conquistava um lugar no Parlamento britânico, com o palco mediático que essa vitória lhe traria, e dava uma nova força ao UKIP, a dois anos das próximas eleições gerais no país (que se vão disputar já num cenário de concretização do Brexit, a vitória maior do partido nas suas duas décadas e meia de existência).

Mas o plano falhou. Nuttall conquistou 5.233 votos, um pouco abaixo do candidato local do Partido Trabalhista Gareth Snell, com 7.853 votos. A campanha de Nuttaal, escreve o Telegraph, ressentiu-se de alguns tropeções. Por exemplo, quando foi forçado a admitir que — ao contrário do que sugerira anteriormente — não perdeu qualquer amigo no chamado desastre de Hillsborough (naquele que foi um dos mais dramáticos acontecimentos na história do futebol e que resultou na morte por esmagamento de 96 adeptos do Liverpool, num jogo da Taça de Inglaterra).

No campo formal, o líder do UKIP também teve de reconhecer que nunca viveu a tempo inteiro na localidade em que se apresentava a votos, Stroke Central, cerca de 270 quilómetros a noroeste de Londres. Na verdade, na única noite que passou na sua alegada residência a tempo inteiro, Nuttall dormiu num colchão colocado de propósito para esse efeito numa das divisões. O resto da casa estava totalmente despida de mobiliário.

“Dentro da casa vazia de Paul Nuttall em Stoke, que ele garante ser a sua “casa” e que surge na sua ficha de candidatura como tal”, escreveu no Twitter o jornalista Michael Crick, por baixo de uma foto que revela o interior do espaço. A polícia de Staffordshire abriu mesmo uma investigação à eventual fraude eleitoral, ainda por concluir.

Nessa altura, a influência do UKIP tinha-se multiplicado por cinco no espaço de cinco anos. Se em 2010 aquela força política tinha conseguido 4,3% dos votos, em 2015 esse resultado fixou-se nos 22,7%. E, depois, a campanha de Snell também não passou sem episódios.

O candidato trabalhista teve de pedir desculpa à sua mulher, à avó e à filha depois de terem sido recuperados tweets seus, de há alguns anos, em que se referia às mulheres como “um pedaço polido de esterco“. E esse não foi o único comentário comprometedor.

Snell também teceu comentários ofensivos a comentadoras políticas de uma estação de televisão e mandou “passear” uma das concorrentes da versão britânica de “O Aprendiz” (o programa em que, originalmente, Donald Trump despedia os pretendentes a um lugar na sua empresa).

Pedi desculpa à minha mulher, à minha avó e à minha filha porque essas não gostaria que elas tivessem de ser confrontadas com essas palavras”, justificou-se o trabalhista.

A vitória de Gareth Snell mantém intacto um resultado histórico que transformou a localidade de Stoke (com uma população de 469 mil habitantes) um pequeno bastião do Partido Trabalhista (PT). Desde 1950 que os eleitores optam pela mesma força política.

O PT até caiu 2% no resultado final, quando comparado com as eleições de 2015, mas Jeremy Corbyn respirou de alívio. O líder do partido conseguiu segurar a ameaça do UKIP, ainda que Nuttall, acabado de derrotar, avise: “Não vamos a lado nenhum, eu não vou a lado nenhum”.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.