Rádio Observador

Restaurantes

Dois pauzinhos, cinco estrelas: há um novo restaurante japonês no Ritz

O nome vai direto ao assunto: chama-se O Japonês e é o novo restaurante (japonês, claro) do Hotel Ritz, em Lisboa. Tem apenas 16 lugares e a carta oferece opções que vão muito além do sushi.

Autor
  • Tiago Pais

A julgar pelo nome, poderia ser mais um restaurante de Kiko Martins. Mas não é. O Japonês fica no interior do Ritz Four Seasons Lisboa Hotel, um dos mais emblemáticos hotéis da capital, e resulta de uma espécie de emancipação do pequeno sushi bar que ali existia desde 2014 associado a outro bar, o do hotel. “Como teve sempre um grande sucesso achámos que fazia sentido desvinculá-lo do Ritz Bar”, explica Catarina Mendonça, responsável pela comunicação da unidade. E se assim acharam, assim fizeram. As oito mesas e 16 cadeiras que já existiam naquela zona do hotel são agora exclusivas d’O Japonês.

Uma das oito mesas e dois dos 16 lugares d’O Japonês.
(foto: © JANINE SILVA FERREIRA / Divulgação)

Às criações de António Muniz, sushiman carioca que passou pela grande escola da cozinha japonesa em Lisboa, o Aya, juntaram-se outras que jogam no campeonato da fusão. Atenção: é perfeitamente natural que a expressão fusão, quando associada a este tema, cause arrepios. Mas neste caso não há nada a temer, a designação serve apenas para facilitar a definição do que se pode encontrar: é que a ementa é farta influências, da nikkei, no caso do ceviche de dourada (22€), à indo-malaia do frango marinado, frito e servido com molho satay (28€).

Os pratos têm o dedo do chefe executivo do hotel, o francês Pascal Meynard e as sobremesas a garantia de qualidade do pasteleiro Fabien Nguyen. E porque é que isto interessa? Porque são dois dos melhores profisssionais da área a trabalhar em Portugal, o que se nota, por exemplo, na luxuosa salada de lavagante e espinafres com vinagrete de yuzu e trufa (37€) ou na geleia de frutos vermelhos, servida com gelado de yuzu (13€). Sim: o yuzu, um citrino tipicamente asiático, tem aqui um papel relevante em muitos dos pratos.

O sushi é cortesia de António Muniz, discípulo do saudoso Takashi Yoshitake no Aya, restaurante que foi a grande escola de cozinha japonesa em Lisboa. (foto: © Divulgação)

Tanto se pode escolher à carta — ou à la carte, afinal trata-se de um hotel de cinco estrelas — como optar por dois menus: o de degustação de sete pratos ao jantar (69€ por pessoa — mínimo de duas pessoas) ou o executivo ao almoço (37€), com uma seleção de sushi e sashimi. Destaque, também, para uma sobremesa que chega diretamente do Japão, os gelados Mochi (6€) de diversos sabores, yuzu, chá verde e chocolate, envoltos numa massa de arroz muito elástica.

Para já, O Japonês concentra-se nuns meros 16 lugares em frente ao bar do hotel. “Mas a ideia é no verão podermos também servir na esplanada“, avança Nicolas Bellaton, um dos gerentes do hotel. E com a vista que se tem dessa zona, só apetece pedir: venha de lá esse verão.

Na fotogaleria, em cima, pode ficar a conhecer melhor o espaço bem como alguns dos pratos que se podem por lá encontrar. E comer.

Nome: O Japonês
Morada: Ritz Four Seasons Hotel Lisboa, Rua Rodrigo da Fonseca, 88 (Marquês de Pombal), Lisboa
Telefone: 21 381 1400
Horário: De terça a sexta, das 12h30 às 15h e das 19h30 às 22h
Preço Médio: 37€ (menu executivo de almoço); 70€ (jantar)
Reservas: Aceitam
Site: www.fourseasons.com/pt/lisbon

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)