A Cotovia vai publicar, no mês de abril, uma antologia de poesia brasileira contemporânea organizada por Adriana Calcanhotto. Esta é uma das novidades da editora para 2017 que, desde a morte do seu fundador André Jorge há mais de um ano, tem sido chefiada por Fernanda Mira Barros.

Calcanhotto — que reside atualmente em Coimbra, onde é professora convidada da Faculdade de Letras entre fevereiro e junho de 2017 — já não é estranha a antologias. Em 2014, publicou uma Antologia ilustrada da poesia brasileira — Para crianças de qualquer idade pelas Edições de Janeiro, onde reuniu poetas brasileiros do século XIX e XX, canónicos e desconhecidos. Entre eles contam-se Gonçalves Dias, Carlos Drummond de Andrade, Vinicius de Moraes, Adélia Prado e Paulo Leminski.

Além de É agora como nunca. Antologia incompleta da poesia contemporânea brasileira, a Cotovia irá também publicar em abril uma nova edição de A angústia da influência, que inclui as alterações feitas posteriormente por Harold Bloom. A edição, revista e aumenta, inclui uma segunda nota do tradutor Miguel Tamen (responsável pela tradução original) e ainda um prefácio intitulado “A ansiedade da contaminação”, no qual Bloom trata da questão da influência centrando-se em William Shakespeare e no seu precursor principal, Christopher Marlowe.

Até agora, a Cotovia publicou apenas um livro — Singularidades, do poeta A.M. Pires Cabral. A ideia é ir avançando a um ritmo prudente, lançando dois ou três títulos por mês, como explicou ao Público Fernanda Mira Barros.