David Bowie

Há 18 anos, Bowie deu um grande concerto em Glastonbury. Agora, chegam os CD e DVD para o eternizar

155

Ano 2000, dia 25 de junho. David Bowie subiu ao palco do festival de Glastonbury. Deu um concerto muito elogiado que, com os anos, tornou-se quase mítico. Agora, sairão as gravações: em CD, LP e DVD.

Express Newspapers/Getty Images

O ano era 2000, o dia 25 de junho. Faltavam ainda três dias para a desoladora meia-final do Europeu de futebol em que França eliminou Portugal, no final do prolongamento (aquela mão de Abel Xavier…), quando o músico inglês David Bowie subiu a palco do importante festival de Glastonbury para um concerto que à época foi relatado como arrebatador e que com os anos tornou-se mítico.

O mito alimentou-se, também, da obscuridade: até este ano, as gravações sonoras e visuais do concerto permaneciam na sua maioria amadoras ou inéditas (visualmente, foi transmitido apenas perto de meia hora do concerto), pelo que a fama do espetáculo adveio quase em exclusivo dos testemunhos de quem lá esteve.

Foi um concerto de “big hits”, de grandes êxitos, um concerto best of de uma carreira que então durava há quase 40 anos e que, para uma das organizadoras do festival, Emily Eavis, é “o primeiro” espetáculo que lhe “vem à cabeça” quando lhe perguntam qual o melhor concerto que viu em Glastonbury. Diz-se amiúde que quem conta um conto acrescenta um ponto, mas a partir do dia 30 de novembro, será possível a qualquer um ouvir e ver David Bowie em Glastonbury, no ano 2000, com a edição das gravações (som e audiovisual) do concerto, em três formatos distintos: dois CD (versão física e digital) e DVD, apenas DVD e três discos de vinil.

O formato “especial”, dedicado a fãs mais aficionados, inclui fotografias de David Bowie, artwork (conceção estética) da autoria do designer Jonathan Barnbrook, que colaborou com Bowie no seu último disco que este editou em vida, Blackstar, e notas sobre o espetáculo escritas por Caitlin Moran, autora da crítica ao concerto publicada no jornal The Times e reconhecida fã de David Bowie.

A capa do disco, que chega às lojas e plataformas digitais a 30 de novembro

O músico inglês, que estreou-se no festival de Glastonbury três décadas antes deste concerto (no ano de 1971), tocou 21 temas, além de uma pequena introdução. O alinhamento do espetáculo, que pode consultar de seguida, inclui os maiores êxitos de David Bowie até à data do concerto. Estão lá “China Girl”, “Life On Mars?”, “Absolute Beginners”, “Ashes to Ashes”, “Rebel Rebel”, “The Man Who Sold the World”, “Station to Station”, “Starman”, “Ziggy Stardust”, “Let’s Dance” e “Heroes”, entre outros.

Alinhamento do concerto:

Introduction (Greensleeves) 
Wild Is The Wind 
China Girl 
Changes 
Stay 
Life On Mars? 
Absolute Beginners 
Ashes To Ashes 
Rebel Rebel 
Little Wonder 
Golden Years 
Fame 
All The Young Dudes 
The Man Who Sold The World 
Station To Station 
Starman 
Hallo Spaceboy 
Under Pressure 
Ziggy Stardust 
“Heroes” 
Let’s Dance 
I’m Afraid Of Americans

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Governo

Quem quer casar com um governante?

Luís Reis

Se Soares foi Presidente-Rei, Costa revelou-se Primeiro-Ministro-Rei chamando o seu reduto doméstico a participar no governo dos súbditos, um nepotismo rosa instalado e a preparar a sucessão dinástica

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)