É já a partir de setembro que os smartphones de cortiça vão passar a contar com uma produção feita em Portugal, o país de origem da marca IKI Mobile. O KF5Bless é o topo de gama da empresa e é também o primeiro smartphone feito com materiais naturais, mais especificamente feitos com cortiça. Tanto a capa traseira como alguns componentes internos são feitos deste material e, mais tarde, quando o equipamento passar para o processo de reciclagem, a cortiça poderá ser utilizada para outros fins.

O KF5Bless Cork Edition não foi feito para ser o mais elegante, até porque ainda tem uma espessura generosa e um peso considerável. No entanto, é um smartphone que não consegue passar despercebido seja onde for. “Isso é cortiça?” – foi a pergunta mais ouvida durante o período que tivemos a testar o smartphone da marca portuguesa, seguida de um “posso ver?”. Mas não é só a aparência que conta e, no interior, o KF5 não está nada mal equipado.

Características técnicas

Este é um equipamento dual SIM (dois cartões) e com uma memória interna de 32 GB que pode ser aumentada através de um cartão de memória. Para dar conta de diversas aplicações, vem equipado com um processador MediaTek de 1.3 GHz e com uma RAM de 3GB.

A construção feita de metal e cortiça não passa despercebida e garante uma maior resistência ao equipamento

A capa traseira não é removível e é inteiramente feita de cortiça, o que lhe proporciona um toque agradável e uma maior resistência a quedas. Ainda na parte traseira podemos encontrar o leitor de impressões digitais que, apesar de não ser o mais rápido, funciona sem problemas. O ecrã é de cinco polegadas e apresenta uma boa resistência graças ao uso do Corning Gorilla Glass 4.

Por baixo da capa de cortiça podemos encontrar uma bateria de 3000 mAh que, surpreendentemente, conseguiu oferecer uma autonomia acima do esperado. Pesa quase 200 gramas, um valor elevado quando comparado com muitos outros equipamentos do mercado. Por estranho que possa parecer, este é um smartphone que ainda vem com o Android 5.1 de origem.

O preço do equipamento é de 290 euros.

Fomos dar uma volta com a cortiça

Apesar de ser um equipamento mais pesado e maior que o normal, não se torna desconfortável na mão. Sem dúvida que a cortiça lhe dá um toque agradável.

O KF5Bless não teve qualquer problema em correr as aplicações normais (redes sociais, jogos de destreza mental, comunicações e até mesmo o Pokémon Go) tendo apenas dificuldades (ligeiras) a correr o jogo Breakneck que fez com que o houvessem alguns “engasgos” ao explodir com a nave.

Com um toque agradável e um aspeto robusto, o smartphone encaixa bem na mão. Pode ser um pouco pesado para o gosto de algumas pessoas

O equipamento não tem tendência para aquecer, de forma geral, sentindo apenas que o metal presente na capa traseira ficava um pouco mais quente quando o smartphone era utilizado constantemente durante o carregamento.

A coluna do KF5Bless Cork Edition está situada em baixo, como muitos outros equipamentos, mas na lateral direita. Ao início pareceu-nos estranho mas, com a utilização, percebemos que o som é menos vezes abafado e que naturalmente já estamos a produzir o “efeito concha” com a mão só de estar a segurar no equipamento.

Imagens e fotografias

Luís Godinho, vencedor do prémio melhor fotógrafo português da Sony World Photography Awards 2017, disse uma vez em entrevista ao Observador, numa entrevista sobre a importância quase nula dos megapíxeis para tirar uma boa fotografia, que “um smartphone faz uma imagem e uma câmara faz uma fotografia”. Com o smartphone da IKI Mobile conseguimos perceber bem o que o fotografo queria dizer.

Não é que a câmara seja má, a verdade é que existem piores, mas por quase 300 euros estávamos à espera de resultados ligeiramente mais agradáveis à vista. Este ainda é um equipamento numa fase inicial o que nos leva a acreditar que possam surgir algumas melhorias neste campo.

6 fotos

De maneira geral, as imagens ficam ou muito escuras ou muito claras. Os contrastes não são maus e, quando se trata de fotografar objetos que estão próximos da câmara, o resultado é bastante mais agradável à vista.

Uma boa autonomia num corpo de cortiça

A bateria do KF5 conseguiu surpreender. Mesmo com uma utilização acima do normal, o smartphone nunca teve problemas em aguentar um dia inteiro sem precisar de ser carregado.

Numa utilização moderada chegava mesmo a atingir dia e meio com uma só carga (com jogos, fotografias, chamadas e redes sociais). Claro que este campo varia sempre consoante o utilizador e as aplicações executadas, mas acreditamos que a IKI se safou bastante bem naquilo que oferece.

E no final, o veredito

Sem dúvida que temos uma mistura de opiniões sobre este equipamento. Tem uma construção muito robusta e transmite segurança por todos os lados sem perder a elegância oferecida pela cortiça. É garantido que quando pousar o smartphone junto a outras pessoas ele vai chamar algumas atenções. Tem um toque agradável e é bastante resistente a quedas.

Aguenta bem com várias aplicações mais pesadas e o multitasking não apresentou qualquer problema de performance. O som é agradável, alto mas podia lidar melhor com os graves.

A cortiça utilizada na capa e nos componentes internos do smartphone poderá ser reutilizada

A câmara fotográfica foi, infelizmente, o ponto mais fraco do equipamento. Os resultados ficam muito escuros ou demasiado claros, mas pode ser que ainda existam algumas melhorias por parte da marca.

A bateria é um ponto de destaque conseguindo garantir um dia de utilização moderada sem qualquer problema. Também o aquecimento do smartphone é pouco ou nenhum.

O sensor de impressão digital é bastante preciso. O metal chega a aquecer um pouco quando o equipamento está a carregar e a ser utilizado constantemente

A aposta da empresa em fazer algo diferente foi bastante bem conseguida e o resultado é o que está à vista. Um smartphone que marca presença e que consegue satisfazer a grande maioria dos consumidores comuns.