A Manchester Arena foi evacuada na noite de segunda-feira durante o concerto de Ariana Grande, cantora norte-americana, na sequência de explosões ouvidas no recinto, com origem ainda por confirmar. O alerta foi dado à Polícia às 22h33. O chefe Constable Ian Hopkins, em conferência de imprensa, confirmou 19 vítimas mortais e 50 feridos que estão a ser acompanhados nos hospitais de Manchester – um número que foi atualizado já ao início da manhã de hoje, terça-feira, para 22 mortos. Na mesma declaração divulgou o número que deve ser utilizado para os familiares que procurem informações sobre eventuais desaparecidos: (0044) 0161 856 9400.

“Estamos a acompanhar estes acontecimentos como um incidente terrorista até termos mais informações”, disse o chefe da polícia: “É uma altura de enorme preocupação para todos. Estamos a fazer o que podemos”. Adiantou ainda que são várias as autoridades dedicadas à investigação de todas as circunstâncias que envolvem as explosões, incluindo os serviços secretos. Hopkins pediu ainda que as pessoas se mantenham afastadas das imediações da Manchester Arena.

A primeira-ministra inglesa, Theresa May, reagiu prontamente aos acontecimentos:

Estamos a trabalhar para esclarecer todos os detalhes daquilo que está ser investigado como um terrível ataque terrorista. Todos os nossos pensamentos estão com as vítimas e com as famílias daqueles que foram afetados”.

Na manhã desta terça-feira haverá uma reunião de emergência da comissão Cobra, presidida pela governante. A campanha eleitoral para as eleições gerais, marcadas para 8 de junho, foi entretanto suspensa.

A NBC News avançou com a informação de que se tratou de um possível ataque bombista suicida mas a polícia não confirmou a informação. A Polícia encontrou um dispositivo suspeito e pediu a todos os que estavam presentes naquela área que se afastassem do local, procedendo de seguida a explosões controladas nos jardins da Catedral. Mais tarde, a Polícia confirmou que o pacote suspeito era apenas roupa abandonada. A BBC Radio Manchester avançou que a polícia estaria também a investigar um carro abandonado perto da sala de espetáculos.

Um comunicado da Manchester Arena esclareceu que o incidente ocorreu fora do recinto. Alguns momentos antes, a Polícia Britânica dos Transportes tinha comunicado que a explosão ocorreu dentro da Arena. A explosão provocou o pânico nas pessoas que estavam a ouvir o concerto, que tenteram fugir logo de seguida. A SIC Notícias cita relatos médicos que revelam que as vítimas foram atingidas por estilhaços de vidro provocados pela explosão.

As explosões terão acontecido já no final do concerto e as pessoas já estavam a sair do recinto. Um representante de Ariana Grande, que já não se encontrava no palco no momento das explosões, disse à Variety que a cantora se encontra bem.

Os serviços de emergência estão na zona bem como equipas cinotécnicas, relatava o jornalista Chris Slater do Manchester News MEN. Há um enorme cordão policial nas zonas circundantes da estação de Manchester Victoria, da Arena e da Catedral, relatava Helen Pidd, uma jornalista do The Guardian, acrescentando que um helicóptero da Polícia esteve a sobrevoar a zona.

A Polícia Metropolitana de Manchester pediu às pessoas para evitarem a área, através do Twitter, acrescentando que “os serviços de emergência estão a responder a um incidente grave”.

A estação Manchester Victoria, que tem ligação com a Manchester Arena, também foi evacuada e todos os comboios foram cancelados. Num comunicado citado pelo Telegraph, a interrupção deverá permanecer até ao final do dia de terça-feira.

O hotel Holiday Inn, localizado perto da Manchester Arena, reuniu dezenas de crianças que se perderam dos seus pais e acompanhantes durante o incidente desta noite se segunda-feira.

A norte-americana, Ariana Grande, dava um concerto na Manchester Arena com capacidade para 21 mil pessoas (Foto de Griffin/Getty Images for iHeart)

O Facebook ativou o sistema de segurança para as pessoas que estavam na zona circundante da Manchester Arena poderem avisar os familiares do seu estado.

O Presidente da Câmara de Manchester lamentou também os incidentes através do Twitter. “Uma noite terrível para a nossa grande cidade”, pode ler-se na publicação.

Os autocarros de Manchester e os táxis fizeram transportes gratuitos durante a noite e a madrugada para retirar todas as pessoas que permaneciam na área que rodeia a Arena.

O Departamento de Segurança dos EUA também emitiu um comunicado:

“Estamos a trabalhar com as entidades internacionais para conseguir informações adicionais sobre as causas das explosões que foram relatadas, bem como sobre o número de mortos e feridos. Os cidadãos americanos na área devem dirigir-se para áreas seguras. E os americanos afetados devem contactar a emabaixada americana em Londres e seguir as orientações que forem dadas.”

O mesmo comunicado acrecsentava:

“Nesta altura, não existem informações que indiquem uma ameaça credível a envolver salas de espetáculo nos Estados Unidos. Contudo, poderá haver um aumento na segurança em espaços públicos, com as autoridades oficiais a tomarem precaulões adicionais. Estamos prontos para dar assistência aos nossos amigos e aliados no Reino Unido em tudo oq ue seja necessário para estas investigações. Os nossos pensamentos e orações estão com todos os que foram afetados por este incidente.”