Os trabalhistas britânicos, liderados por Jeremy Corbyn, estão a recuperar terreno nas sondagens e a última sondagem da YouGov dá apenas 3 pontos de vantagem aos conservadores, dentro da margem de erro. Quando as eleições de dia 8 de junho foram convocadas, em abril, os Tories de Theresa May tinham uma vantagem de 24 pontos, um aparente colapso nas intenções de voto que pode estar ligado aos vários casos que têm marcado a campanha de May e, também, ao desempenho de Jeremy Corbyn nas últimas entrevistas e debates.

A sondagem, encomendada pelo The Times à empresa YouGov, indica que o partido conservador poderá perder 20 lugares de deputados, em vez de reforçar a atual maioria. Além de incluir uma estimativa global sobre as intenções de voto — que dão 42% aos conservadores e 39% aos trabalhistas –, este estudo de opinião fez sondagens em cada círculo eleitoral e a conclusão estará a fazer soar os alarmes no partido conservador. Em vez de reforçar a maioria no parlamento, May pode perder 20 lugares e Jeremy Corbyn pode ganhar quase 30 assentos.

A sondagem foi feita entre os dias 30 e 31 de maio, com uma amostra de 1.875 pessoas.

Apesar de haver uma margem de erro muito grande neste exercício, a sondagem indica que Theresa May poderá ficar aquém dos 326 assentos parlamentares que são necessários para haver uma maioria de facto. Atualmente May tem 330 deputados, “herdados” de David Cameron e das eleições de 2015. Os trabalhistas, por seu turno, podem subir dos 229 para os 257 assentos. A confirmar-se estes resultados, a eleição poderá resultar num hung parliament, ou seja, uma composição parlamentar que dificilmente poderia formar uma maioria de Governo, escreve o The Times.

Reino Unido. “Imposto sobre a demência” ameaça vantagem dos conservadores

Além da controvérsia em torno do chamado “imposto sobre a demência”, May tem sido acusada, também, de querer acabar com os pequenos-almoços gratuitos nas escolas. E a decisão de não participar nos debates não terá ajudado a manter uma popularidade eleitoral que, até ao momento, tem sido superior à de Jeremy Corbyn.

Como foi a primeira batalha pelo número 10 de Downing Street, em dez parágrafos