Rádio Observador

Autárquicas 2017

João Semedo desiste da corrida à câmara do Porto

347

Candidato do Bloco de Esquerda alega motivos de saúde para abandonar a corrida eleitoral. Mas mantém-se como candidato à Assembleia Municipal.

João Semedo venceu recentemente a luta contra um cancro nas cordas vocais. O ex-candidato não especificou o problema de saúde que o obriga a retirar-se agora da corrida.

HENRIQUE CASINHAS / OBSERVADOR

Autores
  • Pedro Raínho
  • Sara Otto Coelho
  • Miguel Santos Carrapatoso
  • Agência Lusa

João Semedo desistiu da candidatura à câmara do Porto, para as eleições autárquicas de outubro. O candidato do Bloco de Esquerda alega razões de saúde para justificar a saída da corrida eleitoral.

Em conferência de imprensa, o bloquista afirmou “que há pouco mais de uma semana, de uma forma brusca, súbita e imprevista” tomou conhecimento de que tem um problema de saúde cujo tratamento é “inadiável” e “incompatível” com a atividade que desenvolveu nos últimos três meses.

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, anunciou que João Teixeira Lopes é agora o candidato do bloco à liderança da Câmara do Porto.

Catarina Martins salientou, contudo, que o Bloco continua a contar com João Semedo nesta candidatura para as eleições autárquicas marcadas para 01 de outubro, “com as suas ideias, o programa, empenho e capacidade política”, bem como com “a sua presença na medida do esforço que pode fazer”, passando a ser o cabeça de lista do partido à Assembleia Municipal do Porto.

Assim, Semedo e João Teixeira Lopes trocam de lugar, passando o primeiro a cabeça de lista do BE à Assembleia Municipal do Porto e o segundo a candidato à liderança da autarquia.

João Semedo acrescentou que, perante a necessidade imediata de tratamento, necessita “de interromper agora” a sua candidatura e que dá “hoje por concluída essa candidatura e essa atividade”.

Mas “esta candidatura ‘Porto: agora as pessoas’ vai continuar, mantendo os seus objetivos, a sua ideia, o seu projeto, a sua proposta, a sua alternativa para o Porto e mantendo também a sua ambição principal, que é a de garantir a presença do BE pela primeira vez na Câmara Municipal do Porto”, sublinhou João Semedo.

“Essa é a boa notícia que vos trago hoje, é que a campanha vai continuar com mais força, projetando-se mais, alargando-se mais e, chegando ao dia 1 de outubro, cumprindo esse objetivo”, concluiu.

A coordenadora do Bloco enalteceu “a generosidade e determinação” de João Semedo, afirmando que pôs a política no centro da campanha autárquica do Porto, quando parecia que tudo menos política estava a ser discutido nesta cidade”.

“Vamos continuar esse percurso”, garantiu, adiantando que também o João Teixeira Lopes demonstrou a sua “grandeza, assumindo ser candidato à câmara municipal e assim continuando este projeto”.

João Semedo e Teixeira Lopes “fazem parte de uma equipa do Bloco no Porto que continuará a trabalhar para uma campanha que põe a política no centro, põe as questões da habitação, dos direitos de quem vive no Porto no centro do debate político, porque é aí que o Bloco tem de estar, preocupado com as pessoas”, disse Catarina Martins.

A assembleia de aderentes do Bloco de Esquerda do Porto aprovou o nome de João Teixeira Lopes como substituto à corrida, voltando a ser o candidato do Bloco, depois de já ter concorrido à Câmara do Porto em 2001, 2005 e 2009. Em 2009, João Semedo era o candidato à Câmara de Gaia.

Na página do Bloco de Esquerda, pode ler-se que o candidato renuncia, mas “continuará a ser fundamental na elaboração do programa e nas traves mestras da candidatura, assumindo um lugar de destaque na futura Assembleia Municipal do Porto.”

João Teixeira Lopes foi deputado à Assembleia da República entre 2002 e 2006. Nas eleições autárquicas de 2009, a coligação PSD/CDS deu a vitória a Rui Rio. João Teixeira Lopes conseguiu 4,98%, ficando atrás do PS (34,7%) e do PCP (9,8%).

Diretor de Departamento de Sociologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, João Teixeira Lopes tem 47 anos e uma carreira dedicada à Sociologia, área em que se licenciou em 1992. É presidente da Associação Portuguesa de Sociologia e foi diretor da Revista Sociologia entre 2009 e fevereiro de 2013.

Tem 23 livros publicados, sozinho ou em coautoria. Em abril deste ano lançou, em conjunto Francisco Louçã e Lígia Ferro, o livro As Classes Populares, sobre os “mecanismos que perpetuam a desigualdade em Portugal”, traçando o retrato de como é viver no país desde a crise de 2008.

PS lamenta desistência de João Semedo. Corrida eleitoral “fica mais pobre”

O PS Porto e o candidato socialista à Câmara Municipal do Porto, Manuel Pizarro, já reagiram ao anúncio de João Semedo. Numa nota enviada às redações, os socialistas lembram e elogiam o percurso político do bloquista e lamentam a saída do antigo coordenador do Bloco da corrida eleitoral.

“João Semedo é um médico prestigiado e um político com um longo percurso de luta em defesa da liberdade e das causas da cidadania. Para além de todas as diferenças de opinião a sua coerência e afabilidade tornaram João Semedo um cidadão e um político respeitado em todos os quadrantes da vida da cidade e do país. Com a sua retirada o processo eleitoral autárquico no Porto fica inexoravelmente mais pobre”, escrevem os socialistas.

A nota termina com a expressão de solidariedade dos socialistas para com João Semedo. “O PS e a candidatura de Manuel Pizarro enviam a João Semedo um forte abraço de solidariedade. Estamos certos de que o seu combate contra a doença que agora o atinge será feito com a mesma coragem, determinação e sucesso, com que lutou toda a vida em defesa dos seus ideais.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)