Estados Unidos da América

Sete marinheiros dos EUA desaparecidos após colisão de contratorpedeiro com navio filipino

Um choque entre um contratorpedeiro dos EUA e um navio de carga filipino ao largo da costa do Japão levou a que sete marinheiros norte-americanos ficassem desaparecidos. Há buscas no local.

O USS Fitzgerald circulava a uma velocidade de três nós (5,6 quilómetros por hora) na altura do choque

AFP/Getty Images

Há sete marinheiros norte-americanos desaparecidos na costa japonesa, depois de a contratorpedeiro em que seguiam ter colidido durante a noite com uma navio de carga filipino com praticamente o quádruplo do tamanho.

Os 20 tripulantes do navio filipino, operado pela empresa ACX Crystal, estão em segurança. Entre os norte-americanos, houve três feridos, entre os quais comandante do contratorpedeiro, Bryce Benson, que está estável. Segundo o Washington Post, ainda não é conhecida a gravidade dos ferimentos dos outros dois marinheiros que foram levados para o hospital naval de Yokosuka.

As buscas pelos sete marinheiros desaparecidos estão a ser feitas pelas autoridades norte-americanas e japonesas.

O Presidente dos EUA, Donald Trump, reagiu ao acidente no Twitter. “Os meus pensamentos e orações estão com os marinheiros do USS Fitzgerald e as suas famílias. Obrigado aos nossos aliados japoneses pela sua ajuda”, escreveu este sábado.

Ainda não são conhecidas as causas por trás do choque entre os dois navios. De acordo com o Washington Post, o USS Fitzgerald, o nome oficial daquele contratorpedeiro da marinha norte-americana, circulava a três nós de velocidade — o que equivale a 5,6 quilómetros por hora — na altura do choque.

Depois do embate, o USS Fitzgerald conseguiu chegar à base naval norte-americana de Yokosuka, onde está destacado desde 2004.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt
Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)