A missão da Venezuela na ONU denunciou na segunda-feira que o embaixador Rafael Ramírez e a sua família sofreram uma agressão no domingo em Nova Iorque, e atribuiu o incidente ao “carácter violento” da oposição no país.

Num comunicado, a representação venezuelana disse que Ramírez e a sua família sofreram “uma agressão” e assegurou que o diplomata “lhe fez frente, juntamente com a sua família” em “defesa das crianças que o acompanhavam”, com idades entre os oito meses e os 15 anos.

Os agressores foram identificados como Tatiana Low e Gabriel Manzano, este último de nacionalidade venezuelana, que exerce um alto cargo no setor financeiro privado, especificamente no Citibank”, afirmou a missão em comunicado.

“A polícia da cidade de Nova Iorque atuou a pedido do embaixador Rafael Ramírez, além da notificação do Departamento de Estado dos Estados Unidos, ambos responsáveis pela segurança dos diplomatas no território norte-americano”, acrescentou.

Vários meios de comunicação publicaram nas últimas horas vídeos em que se pode ver parte do confronto, que aconteceu num conhecido restaurante de Brooklyn.

Nestes ouve-se, entre outras coisas, um homem que se dirige a Ramírez dizendo que “noventa venezuelanos morreram na Venezuela por pessoas como você”, e é gritada a palavra “assassino”.

“Esta agressão contra Rafael Ramírez e a sua família é mais uma prova do carácter violento e de intolerância política de sectores da oposição no país”, afirma o comunicado da missão venezuelana na ONU.