Rádio Observador

Fogo de Pedrógão Grande

António Costa sobre Pedrógão. “Não é o Governo que contabiliza” os mortos

3.197

António Costa não se compromete com números finais e lembra: "Não é o Governo contabiliza". Ministra da Administração Interna mantém o número: 64 mortos.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

São 64,65, 80 ou mais ainda? Nos últimos dias cresceram as dúvidas sobre o número real das vítimas do incêndio de Pedrógão. O primeiro-ministro — que no domingo tinha dito que “já está tudo esclarecido” — sobre esta matéria não se quis comprometer com um número final. António Costa destacou que a “dimensão desta tragédia não se mede pela dimensão dos números” e até abriu margem a que possam ser mais, dizendo que “a dimensão desta tragédia não era menos se tivesse sido metade o número de pessoas a falecer”. Pressionado pelos jornalistas a ser mais claro, o chefe de Governo atirou: “Não é o Governo que contabiliza [os mortos].”

António Costa voltou a escudar-se nas “autoridades”, dizendo que se elas apurarem que o número de mortos é maior, esse passará a ser o número oficial. Porém, não compete, no entender do primeiro-ministro, ao Governo assumir essa contagem. O chefe de Governo diz que é o Instituto Nacional de Medicina Legal que tem de fazer a fazer essa contagem e exorta quem tenha mais informações a comunicá-las ao Ministério Público e à Polícia Judiciária: “Se alguém tiver conhecimento de um maior número de mortes deve comunicar a essas entidades.”

Costa tentou depois explicar o procedimento, dizendo que “todas as aldeias foram vistas casa-a-casa pelas autoridades, quer por técnicos da Segurança Social, quer pela Guarda Nacional Republicana, quer pelas Forças Armadas, que fizeram vistorias à zona ardida, mas também à área florestal envolvente”. O primeiro-ministro admite ainda que “seria intolerável que houvesse qualquer dúvida por ficar esclarecida”.

António Costa destaca ainda que “a estatística não altera a realidade. As pessoas ou estão vivas ou faleceram.” O primeiro-ministro diz ainda que “a lista de desaparecidos” foi toda verificada e foram “todos identificados”.

Minutos antes de António Costa, a ministra da Administração Interna reforçou que o número oficial é que 64 pessoas morreram no incêndio de Pedrógão Grande, acrescentando que o processo está nas mãos do Ministério Público e em segredo de justiça.

O Governo não mantém uma lista secreta“, afirmou Constança Urbano de Sousa, em declarações aos jornalistas. A governante afirmou que todas as pessoas que morreram “em consequência direta” do fogo foram identificadas pelo Instituto de Medicina Legal.

Os critérios de aferição das vítimas — queimaduras e inalação de fumo — foram definidos pela Polícia Judiciária e pelo Ministério Público, “a quem compete investigar todas as mortes”.

Constança Urbano de Sousa adiantou ainda que a lista das vítimas, “devidamente certificada pela PJ e pelo Instituto de Medicina Legal”, está com o Ministério Público e constam de um processo que está em “segredo de justiça”. “Não é o Governo que tem a lista, é o Ministério Público”.

A ministra acrescentou ainda que as seguradoras poderão aceder à lista para efeitos de indemnizações e que o relatório da GNR será conhecido no final do mês.

O semanário Expresso dava conta este fim de semana de, pelo menos, mais uma vítima que terá morrido durante o incêndio.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)