A Hungria tirou hoje do mercado produtos desenvolvidos a partir de ovos contaminados com o pesticida tóxico fipronil, importados da Alemanha por uma empresa húngara, anunciou esta terça-feira a agência de segurança alimentar local.

Com este novo caso, eleva-se para 17 o número de países da União Europeia (UE) afetados por esta crise dos ovos contaminados com fipronil, que também abrange a Suíça, o território de Hong Kong e a Coreia do Sul.

A entidade húngara precisou que ordenou a retirada do mercado de produtos congelados destinados à confeção de pratos asiáticos.

“A empresa húngara só fornecia restaurantes”, indicou a agência de segurança alimentar húngara, precisando que os clientes do fornecedor foram já informados.

A retirada destes produtos foi decidida após a Alemanha ter notificado hoje o Sistema de Alerta Rápido para os Géneros Alimentícios e Alimentos para Animais (RASFF) da União Europeia (UE). As autoridades alemãs informaram que vestígios de fipronil tinham sido detetados nos produtos importados.

Em grandes quantidades, o fipronil, usado para eliminar ácaros e insetos, é considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como “moderadamente tóxico” para o homem. O uso deste pesticida é expressamente proibido em animais destinados ao consumo humano.

A “crise” dos ovos contaminados iniciou-se a 20 de julho, quando a Bélgica alertou as autoridades comunitárias de que tinha detetado ovos contaminados.

Oito dias depois, a Holanda lançou um alerta alimentar por suspeita de contaminação, mas foi só a 03 de agosto é que as autoridades holandesas advertiram de que, em alguns lotes de ovos, a quantidade do pesticida era superior aos limites e poderia representar um perigo para a saúde dos consumidores.

A Comissão Europeia já informou que vai reunir-se com representantes dos países afetados por esta crise a 26 de setembro.

Em Portugal, segundo a Direção-Geral da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural (DGAV), os ovos em causa não estão à venda.