A chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, disse esta terça-feira que o recente processo eleitoral em Angola é um “sinal claro” do compromisso do país com a democracia.

“O processo das eleições gerais, que levaram a uma transição política pacífica, foi um sinal claro do compromisso do povo angolano com a democracia”, salientou Mogherini, num comunicado divulgado no dia em que o novo Presidente, João Lourenço, é empossado no cargo.

João Lourenço toma posse na terça-feira como presidente de Angola

Federica Mogherini adiantou ainda que a UE “está disponível para apoiar futuros processos eleitorais, nomeadamente no acesso equitativo aos media e na reforma da legislação eleitoral em linha com os princípios internacionais de abrangência e transparência”.

O novo Presidente angolano, João Lourenço, toma posse esta terça-feira em Luanda, numa cerimónia com mais de mil convidados nacionais e estrangeiros, incluindo 30 chefes de Estado e de Governo, entre os quais o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa.

Marcelo vai estar na posse de João Lourenço como Presidente de Angola no dia 26

João Lourenço foi confirmado como novo Presidente de Angola no dia 6 de setembro, data em que a Comissão Nacional de Eleições divulgou os resultados definitivos das eleições gerais de 23 de agosto, que deram a vitória com 61% ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA, no poder há 42 anos).

A União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) foi a segunda força política mais votada, com 26,67% dos votos, seguindo-se a coligação de partidos Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE), com 9,44%.

A oposição contestou os resultados junto do Tribunal Constitucional, mas os recursos foram chumbados.