Sociedade

Hugh Hefner pagou pequena fortuna por túmulo ao lado de Marilyn Monroe

158

O fundador da Playboy, Hugh Hefner, que faleceu esta quinta-feira aos 91 anos, pagou para ser sepultado ao lado da atriz norte-americana. Mas a escolha, elogiada por uns, também é alvo de críticas.

WARREN TODA/EPA

Hugh Hefner pagou – e não foi pouco: 75 mil euros foi quanto gastou Hugh Hefner, o fundador da Playboy, para ser sepultado ao lado da atriz Marilyn Monroe, que figurou na capa da primeira edição da revista de entretenimento. O milionário fundador da revista, que morreu esta quarta-feira, aos 91 anos, comprou o túmulo em 1992. Em entrevista ao LA Times, em 2009, o fundador da Playboy disse que “passar a eternidade junto a Marilyn é um negócio demasiado doce” para se recusar.

A história que levou a que Marilyn Monroe fosse capa da primeira edição da revista está bem documentada. Na fase inicial da sua carreira, a atriz estava com falta de dinheiro e sem trabalho, pelo que concordou em posar nua para um fotógrafo. Recebeu 50 dólares pelas fotos, que assinou como “Mona Monroe” para se proteger e por vergonha, conforme conta no livro “Marylin: Her Life in Her Own Words”. As fotos foram vendidas pelo fotógrafo a uma litográfica, que publicou um calendário com elas. Passados quatro anos, já após a carreira de Monroe ter disparado, Hugh Hefner comprou duas dessas fotos – uma nua, outra vestida – por 500 dólares a uma empresa de calendários, para lançar a sua revista. Vendeu 50 mil exemplares, e o resto é história.

Apesar de Marilyn ter sido vital no lançamento da Playboy, ela e Hugh Hefner nunca se conheceram. A atriz, inclusive, refere que nunca recebeu um “obrigado de todos aqueles que fizeram dinheiro de uma foto nua da Marilyn. Enquanto que alguns veem a compra do túmulo junto a Marilyn como algo brilhante, outros, graças a detalhes como aqueles anteriormente referidos, veem o desejo de Hefner como desrespeitoso.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)