O fabricante alemão Mercedes-Benz acaba de anunciar um recall de mais de 1 milhão de veículos, carros de passageiros e crossovers, devido a um problema de fábrica envolvendo o airbag frontal do condutor. Portugal é um dos mercados abrangidos, embora não se saiba ainda o número de carros afectados, segundo conseguiu apurar o Observador.

Dados obtidos pela agência noticiosa Reuters junto do fabricante indicam que esta chamada às oficinas envolverá 495 mil veículos só nos Estados Unidos da América, 400 mil na Grã-Bretanha, 76 mil no Canadá e algumas centenas na Alemanha. Embora também não esteja totalmente posta de parte a possibilidade de surgirem mais casos, noutros mercados do globo onde o construtor opera.

Portugal não escapa

Mostrar Esconder

Fonte da filial da marca alemã revelou ao Observador que o nosso país também será abrangido por este recall, embora, pelo menos para já, não seja possível avançar o número exacto de viaturas envolvidas.

Garantido está já que, uma vez apuradas as viaturas em causa, os proprietários serão contactados por carta, para que se dirijam às oficinas da marca, para reparação do problema, sem qualquer custo.

Segundo nos revelou a mesma fonte, a oportunidade será aproveitada igualmente para, nos casos em que isso se justifique, solucionar um problema no isolamento do pára-brisas de algumas unidades, resultante do excesso de aplicação do produto isolante. Sendo que, mais uma vez, essa intervenção será feita sem custos para o cliente.

Em causa estão unidades dos Classe A, B, C e E, assim como das variantes CLA, GLA e GLC, fabricadas a partir de 2011.

A Mercedes-Benz explica que uma mera descarga electroestática, a juntar a uma mola menos resistente e uma fixação mais deficiente dos componentes da direcção, poderá levar a uma abertura inesperada do airbag do condutor e, consequentemente, a um acidente. Sendo que a reparação passa, entre outros aspectos, por uma melhor fixação dos componentes da direcção.

A filial norte-americana da Mercedes-Benz reconheceu já ter tido conhecimento de “uma mão-cheia de situações em que condutores sofreram queimaduras ligeiras e contusões“, devido a este problema. Embora garanta, igualmente, desconhecer a existência de quaisquer vítimas mortais.

Em declarações aos jornalistas, a Mercedes-Benz negou que este caso esteja, de alguma forma, relacionado com o recall massivo de viaturas em todo o mundo, devido aos problemas ocorridos com os airbags Takata.