Nissan

Fórmula E. Sai Renault e entra Nissan

Depois de vencer todas as edições disputadas até agora desta Fórmula 1 dos carros eléctricos, a Renault decidiu-se retirar em alta. Mas a equipa continua, agora com as cores da Nissan.

A receita para a Fórmula E não podia ser mais simples. E eficaz. Num momento em que só se fala de automóveis eléctricos, criar um campeonato mundial de fórmulas movidos a electricidade parecia, desde logo, votado ao sucesso. Depois, para apimentar o cocktail, nada de circuitos convencionais, até para não tornar evidente que os carros andam muito pouco ou nada (com 250 cv e uma velocidade máxima de 225 km/h, não era de esperar muito mais), pelo menos quando comparados com as outras disciplinas com dimensão para serem homologadas pela Federação Internacional do Automóvel (FIA).

Como pista, os Fórmula E têm como palco o centro das grandes cidades, tentando deslocar a competição para onde estão as pessoas, em vez de atrair multidões até aos traçados tradicionais, onde os F1 correm, modificando por completo a estratégia.

É bom recordar que esta disciplina foi apresentada inicialmente em 2012 e disputou o seu primeiro campeonato mundial, sancionado pela FIA, entre 2014 e 2015, uma vez que, para fugir ao calendário da F1 e das outras modalidades mais sumarentas – ler ‘emocionantes’ –, o campeonato destes fórmulas eléctricos realiza-se durante aquilo que é considerado Inverno no hemisfério Norte, ou seja, de Outubro a Julho.

Nas três épocas já disputadas, sagraram-se campeões três pilotos, respectivamente Nelson Piquet Jr., Sébastien Buemi e Lucas de Grassi, dois brasileiros e um suíço. Mas, em termos de equipas, o ceptro foi sempre pertença da Renault, cuja equipa, a e.dams, venceu sempre a concorrência. Mas já chega.

Decidida a concentrar todos os seus esforços na F1, onde pretende regressar às vitórias – naquelas corridas com fórmulas com cerca de 1.000 cv e capazes de velocidades acima dos 350 km/h –, a Renault cedeu a sua posição na Fórmula E à sua parceira na Aliança Renault-Nissan, que os franceses controlam.

A presença da Nissan na Fórmula E faz todo o sentido, pois não só é a marca que mais vende carros eléctricos no mundo inteiro, como o seu novo Leaf é um veículo cheio de potencial, e de trunfos, capazes de lhe permitir condições para manter a vantagem entre os seus rivais, tanto mais que prepara o lançamento para muito breve de um SUV concebido com base no Leaf. Usufruindo da experiência acumulada por três anos consecutivos de triunfos, a Nissan tudo irá fazer para continuar a surfar a crista da onda, pelo menos no que às vitórias entre a Fórmula 1 dos eléctricos diz respeito.

E a Nissan entra num bom momento, pois para o ano, além dos habituais concorrentes da Fórmula E, com excepção da Renault, que abandona o campeonato, espera-se a entrada da Audi, BMW, Mercedes e Porsche. Pelo que a competição vai aquecer.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)