Anthony Levandowski, antigo executivo da Google e da Uber para projetos de carros autónomos, afirmou uma entrevista à Wired que quer começar uma igreja para louvar a inteligência artificial. O engenheiro mecânico registou-se como líder da igreja em Maio, ou seja, na altura em que a Uber o despediu por ter usado propriedade intelectual da Google. Este episódio levou a que fosse aberto um processo judicial entre as duas empresas.

Apelidada com as siglas WOTF, a Way of the Future (em português, quer dizer “o caminho do futuro”) é uma igreja que quer “criar uma transição pacífica e suave entre o momento em que as pessoas mandam sozinahs no planeta e o momento em que mandam juntamente com máquinas”, segundo o site oficial da instituição. A WOTF acredita que um dia a inteligência artificial vai criar máquinas mais avançadas do que os humanos e que, por isso, estas serão vão tornar-se um deus que merece reverência.

Segundo Levandowski, para se fazer parte da igreja não é preciso doar dinheiro, apenas “passar a palavra” sobre a inevitável criação de uma super inteligência que poderá mandar nos humanos.

Google paga 120 milhões a um só engenheiro

A inteligência artificial tem sido um dos grandes tópicos de 2017 na indústria tecnológica, com cada vez mais máquinas e softwares informáticos a utilizar programas que aprendem quanto mais são usados e tornam as tarefas mais rápidas. Desde a condução autónoma até gerir os dados pessoais em redes sociais, empresas como o Facebook, a Google e a Microsoft têm desenvolvido cada vez mais a tecnologia e usado em novas aplicações tecnológicas.