Rádio Observador

União Europeia

Porto não fica com a Agência Europeia do Medicamento

1.369

O Porto não ganhou a corrida pela EMA. Na votação, que decorreu esta segunda-feira, a cidade não conseguiu os votos suficientes. Foi preciso tirar a bola certa de uma taça para decidir a vencedora.

A cidade portuguesa foi a sétima mais votada entre as 16 candidatas

AFP/Getty Images

Após quatro meses a puxar dos seus galões, as 16 cidades candidatas a acolher a EMA – Agência Europeia do Medicamento foram votadas no Conselho Europeu. Na primeira ronda, os votos dos 27 países no Porto não foram suficientes para que a cidade portuguesa continue na corrida. Após quatro rondas de votação, Amesterdão e Milão acabaram empatadas (Bratislava absteve-se). O destino dos cerca de 900 funcionários da Agência foi desempatado por sorteio. Ganhou Amesterdão, na Holanda.

A EMA terá de deixar o Reino Unido em março de 2019, devido ao Brexit. É nessa altura que começa a relocalização. Milão (Itália), Amesterdão (Holanda) e Copenhaga (Dinamarca) foram as três cidades que passaram à segunda fase de votações. Na terceira, Copenhaga caiu.

Na quarta tentativa, cada cidade teve 13 votos, uma vez que a Eslováquia preferiu abster-se de votar. Foi, então, necessário decidir o futuro da EMA como se de um sorteio da Liga Europa se tratasse: tirando um nome à sorte de dentro de uma taça. Do sorteio saiu vencedora Amesterdão.

De acordo com um comunicado da Câmara Municipal do Porto, a cidade portuguesa foi a sétima mais votada entre as 16. Para além de Milão, Copenhaga e Amesterdão, eram também candidatas a sediar a EMA as cidades de Atenas (Grécia), Barcelona (Espanha), Bona (Alemanha) Bratislava (Eslováquia), Bruxelas (Bélgica), Bucareste (Roménia), Helsínquia (Finlândia), Lille (França), Sófia (Bulgária), Estocolmo (Suécia), Varsóvia (Polónia) e Viena (Áustria). Eram inicialmente 19, mas Croácia, Irlanda e Malta desistiram recentemente.

Amesterdão, Barcelona, Copenhaga, Milão e Viena foram as cidades apontadas como preferidas pelos funcionários da EMA. Já na casa de apostas britânica Ladbrokes, Milão era até hoje a cidade favorita, seguida por Bratislava e, em terceiro lugar, Amesterdão.

Na sexta-feira, a Comissão da Candidatura Nacional à EMA reuniu na Câmara Municipal do Porto para fazer um balanço do trabalho feito, com a presença do ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, e da secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias. “Esta candidatura tornou o Porto uma cidade visível na Europa, com infraestruturas que podem albergar instituições europeias“, destacou ao Observador Eurico Castro Alves, membro da Comissão. O Palácio dos Correios, nos Aliados, o Palácio Atlântico, na praça D. João I, ou instalações novas na avenida Camilo Castelo Branco, foram as três estruturas que a cidade candidatou.

Em comunicado enviado há pouco, Rui Moreira corrobora. “Agora estamos ainda mais mira dos investidores internacionais; para além de sermos um polo turístico de grande importância, hoje somos uma cidade para investir e para viver como há poucas na Europa.”

Nem só de critérios objetivos se fez a corrida para albergar a agência, que recebe, por ano, cerca de 35 mil visitantes. “A decisão tem a ver também com lobbying“, explica Eurico Castro Alves, que também foi secretário de Estado da Saúde. “Eu testemunhei isso em alguns países. Após a apresentação, no fim a pergunta era: ‘O que é que têm para trocar connosco?'”.

O trabalho diplomático junto dos 26 países que poderiam ter votado em Portugal foi feito pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros. De acordo com o jornal Politico, houve países que ofereceram a outros mais tropas da NATO. Outros garantiam o seu voto se, em troca, recebessem outro voto para a presidência do Eurogrupo — lugar para o qual Mário Centeno pode anunciar em breve ser candidato.

O Governo tinha escolhido Lisboa para entrar na corrida, mas voltou atrás após algumas críticas, já que a capital portuguesa já é sede de duas agências europeias, a da Segurança Marítima e o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência. Num estudo feito pela consultora KPMG, nem Lisboa nem Porto apareciam nos lugares cimeiros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)