Rádio Observador

Educação

Escola Portuguesa no Brasil deve arrancar em março de 2019

O ministro dos Negócios Estrangeiros português disse esta quinta feira que a Escola Portuguesa que deverá ser construída em São Paulo, a primeira no Brasil, começará a receber alunos em março de 2019.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O ministro dos Negócios Estrangeiros português disse esta quinta feira à Lusa que a Escola Portuguesa que deverá ser construída em São Paulo, a primeira no Brasil, começará a receber alunos em março de 2019.

“Estamos a trabalhar no sentido de a escola abrir no ano letivo de 2019. Isto significa que ela estará a funcionar em março de 2019”, afirmou Augusto Santos Silva.

“Há várias razões que me levam a dizer que a escola portuguesa será aberta em 2019. Primeiro porque haverá uma eleição em 2019, segundo porque a pessoa do Ministério da Educação que cuida deste tipo de projeto montou uma escola semelhante em Cabo Verde em tempo recorde, e em terceiro porque o Presidente [português, Marcelo Rebelo de Sousa] e o primeiro-ministro [português, António Costa] estiveram aqui [em São Paulo] e disseram que o projeto tem que acontecer”, acrescentou.

O chefe da diplomacia portuguesa, que está a efetuar em viagem oficial ao Brasil, anunciou também que o Ministério da Educação de Portugal já prevê no seu orçamento para 2018 um investimento de 500 mil euros no projeto.

“O orçamento está para ser aprovado no Parlamento português e será debatido no próximo dia 27. A verba está inscrita e vai ser certamente aprovada. Já dispomos de um orçamento e a previsão para fazer as obras no edifício [cedido pelo Governo do Estado de São Paulo] a partir do próximo ano”, contou.

Augusto Santos Silva recordou ainda que o Governo português aposta nestas escolas porque todas as experiências do mesmo tipo que mantém no estrangeiro correm muito bem, citando as existentes em Angola, Moçambique, Timor-Leste, Macau, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde.

“Uma escola como esta [mantida com dinheiro do Governo de Portugal] é algo mais do que apenas uma escola. Nelas também se fazem atividades culturais. A escola será uma espécie de embaixada de Portugal num país irmão”, avaliou.

“A escola corresponde a um anseio da comunidade portuguesa de São Paulo na medida em que ela será ao mesmo tempo capaz de preparar bem os filhos dos lusodescendentes no sistema escolar brasileiro tendo também valências reconhecidas no sistema escolar português”, concluiu.

O ministro dos Negócios Estrangeiros visitou hoje à tarde o local onde vai funcionar a escola portuguesa e foi recebido pelo secretário da Educação do Estado de São Paulo, José Renato Nalini.

De manhã participou na cerimónia de entrega da Ordem do Mérito Empresarial da República Portuguesa na classe comercial ao presidente da EDP Brasil, Miguel Setas, na sede da Câmara Portuguesa de São Paulo.

Augusto Santos Silva encontra-se ainda hoje com a comunidade luso-brasileira e visitará a exposição “Imaginação da Pedra” no Consulado Geral de Portugal de São Paulo.

Na sexta-feira, Augusto Santos Silva seguirá para o Rio de Janeiro onde terá uma série de reuniões oficiais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ministério da Educação

Um mau serviço à Educação

Carlos Fiolhais
562

Os governantes que na prática fecharam o Colégio da Imaculada Conceição, prestando um mau serviço à educação, desconhecem provavelmente os contributos dos Jesuítas para o ensino, a ciência e a cultura

Economia

Liderança: um diálogo pai-filho /premium

José Crespo de Carvalho
124

Podes ter a melhor das intenções, as características pessoais que achas apropriadas ou mais valorizas, a visão e a estratégia para o exercício da liderança. Mas a cultura, se não ajudar, estás morto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)