Slobodan Praljak, um antigo comandante bósnio croata na guerra da Bósnia de 1992-95 que estava a ser julgado por crimes de guerra no Tribunal Penal Internacional, em Haia, morreu esta manhã depois de ter ingerido veneno em plena sala de audiência, pouco depois de ter sido confirmada a sua condenação a 20 anos de prisão por crimes de guerra.

O antigo comandante gritou “eu não sou um criminoso de guerra” quando ingeriu o líquido de um pequeno frasco. Os juízes das Nações Unidas suspenderam de imediato a audiência.

Slobodan Praljak é um dos seis antigos líderes políticos e militares da Bósnia que foram condenados em 2013 de perseguição e extermínio de muçulmanos durante a guerra da Bósnia. Na semana passada, o antigo general bósnio sérvio Ratko Mladic foi condenado a prisão perpétua por genocídio e crimes contra a humanidade, também no âmbito deste julgamento.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A audiência desta sexta-feira era a última de uma série de audiências de recurso — os seis líderes políticos e militares recorreram das sentenças aplicadas em 2013 e estavam a ser ouvidos agora pelo Tribunal Penal Internacional, responsável por julgar os crimes mais importantes cometidos por cidadãos de todo o mundo, como genocídio e crimes de guerra.