Crime Informático

EUA acusa Coreia do Norte de ser responsável pelo ciberataque WannaCry

O ransomware, que bloqueava o acesso ao computador ou aos dados em troca de dinheiro, infetou mais de 300 mil computadores em 150 países. Segundo os EUA, a Coreia do Norte está por detrás do ataque.

SEDAT SUNA/EPA

Os Estados Unidos da América acreditam que a Coreia do Norte é “diretamente responsável” pelo ataque de ransomware Wanna Cry, que este ano afetou mais de 300 mil computadores pessoais, de empresas, bancos, hospitais e outros serviços públicos em 150 países. Quem o diz é Thomas Bossert, conselheiro de segurança de Donald Trump, num artigo publicado no Wall Street Journal.

“O ataque foi amplo e custou milhares de milhões, e a Coreia do Norte será tida como responsável“, disse Bossert, e que essa responsabilidade lhes seria “publicamente atribuída” pelos EUA. No entanto, o conselheiro não referiu medidas específicas a tomar contra o regime de Kim Jong-un.

Thomas Bossert garante que a alegação não é feita “levemente” e que se basearam “em evidência”, a qual não foram os únicos a encontrar. “Outros governos e companhias privadas concordam”, disse. “O Reino Unido atribui o ataque à Coreia do Norte e a Microsoft rastreou o ataque a pessoas afiliadas ao governo da Coreia do Norte”.

De acordo com o The Guardian, um membro da administração americana foi citado a revelar que os EUA suspeitam “com um grande nível de confiança” que o ataque é obra do ‘Lazarus Group’, uma organização de ciberataques que trabalha para Pyongyang e que também terá sido responsável pelo ciberataque à Sony, em 2014.

O ransomware WannaCry, também conhecido como WanaCrypt ou Wana Crypt0r, bloqueia o acesso ao computador, aos dados e exige um resgate em Bitcoin para lhes voltar a aceder. O malware usa duas ferramentas da NSA (Agência Nacional de Segurança norte-americana) a que os hackers tiveram acesso. Inicialmente, é pedido um valor de 300 dólares em Bitcoin, mas após 72 horas sem pagar o resgate aumenta para 700 dólares. Se o pagamento não tiver sido feito até sete dias depois da infeção do computador, o malware começa a apagar ficheiros do computador.

Estima-se que o ataque WannaCry, que afetou tribunais, operadoras de comunicação (incluindo a Portugal Telecom), petrolíferas, hospitais, bancos e ministérios, tenha tido um custo mundial de quatro mil milhões de dólares.

O ataque foi travado por Marcus Hutchins, britânico de 23 anos que descobriu uma forma de ‘matar’ o malware sem que se tivesse de pagar o resgate. Hutchins, que trabalha na empresa de segurança informática Krypto Logic e colaborou com Centro Nacional de Cibersegurança britânica para travar o vírus, foi detido em agosto por acusações de ter criado um malware que afeta contas bancárias.

O regime norte-coreano nega qualquer envolvimento no ciberataque, apesar de se crer que o país tem montada uma operação de ciberguerra contra o seu vizinho peninsular, a Coreia do Sul.

No artigo de Bossert, o conselheiro de Trump apela a que governos e empresas trabalhem em conjunto para reduzir os riscos de ciberataques, considerando ainda que “hackers maliciosos pertencem à prisão e regimes totalitários devem pagar pelas suas acções”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)