O jovem britânico que travou o vírus WannaCry, que em meados de maio atacou empresas em mais de 150 países, foi detido esta quarta-feira pelo FBI, acusado de conspirar para publicitar e vender um software malicioso que tem como alvo contas bancárias.

Marcus Hutchins, de apenas 23 anos, foi o “herói acidental” que em maio deste ano conseguiu travar o ataque em grande escala ao criar um “killer switch” do vírus. Dois meses depois, o investigador britânico e especialista em cibersegurança foi detido em Las Vegas, no decorrer de uma conferência sobre pirataria informática.

Revelada a identidade do “herói acidental” que travou ciberataque com 10 euros

Segundo o Departamento de Justiça norte-americano, Hutchins é acusado de ajudar a criar, espalhar e manter o software malicioso, de nome Kronos, entre julho de 2014 e julho de 2015. O jovem foi acusado em conjunto com outra pessoa que ainda não foi identificada, tal como explica o britânico The Telegraph. Segundo a acusação, Hutchins terá criado o malware, sendo que outra pessoa o vendeu online por 2.000 dólares.

Ataque informático. O que foi, como se espalhou, quem o travou

Recorde-se que o ataque em grande escala que ocorreu em maio aproveitava-se de uma falha de segurança do sistema operativo Windows, tal como escreveu à data o Observador. A falha já tinha sido corrigida pela Microsoft, mas os computadores que não estavam atualizados não se encontravam protegidos. O hacker britânico conseguiu registar um domínio, por cerca de 10 dólares, com um endereço encontrado no código do vírus que acabou por funcionar como um “botão para desligar”.