Irão

Líder supremo acusa “inimigos” do Irão de estarem por detrás dos protestos

Líder supremo do Irão, ayatollah Ali Khamenei, acusou os inimigos da república islâmica de estarem por detrás das manifestações que já causaram pelo menos 20 mortos, e de quererem prejudicar o país.

LEADER OFFICIAL WEBSITE / HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O líder supremo do Irão, ayatollah Ali Khamenei, acusou esta terça-feira os inimigos da república islâmica de estarem por detrás das manifestações dos últimos dias, que já resultaram em pelo menos 20 mortos, e de quererem prejudicar o país.

Segundo a página eletrónica oficial do líder supremo, Khamenei diz que “nos últimos dias”, os inimigos do Irão utilizaram vários meios, incluindo dinheiro, armas, política e serviços de informação “para criar problemas ao sistema islâmico”.

Para o líder iraniano, os inimigos do país “esperam apenas uma ocasião para se infiltrarem e atacarem o povo iraniano”. “O que pode impedir o inimigo de agir é o espírito de coragem, de sacrifício e a fé do povo, de que vocês são testemunhas”, disse, dirigindo-se às famílias dos soldados mortos em combate.

Numa intervenção num encontro com familiares de vítimas da guerra com o Iraque, Khamenei reafirmou a tese da intervenção estrangeira.

Na intranquilidade dos dias recentes, os inimigos do Irão uniram todos os instrumentos que tinham à sua disposição, incluindo dinheiro, armas… para provocar prejuízos ao sistema islâmico.”

Khamenei, que tem a última palavra nas questões de Estado, não se referiu a qualquer país em concreto, mas disse que iria desenvolver a ideia num futuro próximo. Esta foi a primeira vez que Khamenei comentou publicamente os protestos que começaram na quinta-feira em Mashhad e se espalharam a outras cidades.

Mais de 20 pessoas, incluindo manifestantes e forças de segurança, terão morrido em confrontos e centenas de pessoas foram detidas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Operação Marquês

Porque é que só há uma Ana Gomes?

Rui Ramos

A sociedade portuguesa gera rotação no poder quando o dinheiro acaba, como vimos em 2002 ou em 2011. Mas já não gera alternativas, como constatámos em 2015 com o regresso dos colegas de Sócrates.

Corrupção

Traição à pátria

Paulo de Almeida Sande

Quando nos perguntamos por que razão Portugal se arrasta na cauda da Europa parte da resposta é o BES, os Vistos Gold, o Face Oculta, o BPN, a PT, a operação Marquês, a Moderna, o Freeport, etc., etc.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site