Atentados de Paris

Fingiu ser vítima dos atentados em Paris, recebeu 25 mil euros e agora foi presa

A mulher em questão -- que já tinha sido condenada três vezes por fraude -- fez-se passar por uma vítima do atentado no Bataclan e até recebeu uma indemnização.

JEREMY LEMPIN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Com 48 anos, habitante nos arredores de Paris e desde há um ano funcionária da associação de vítimas Life for Paris, tinha sido já condenada três vezes por fraude.

A visada reconheceu os factos e será julgada na quarta-feira em comparência imediata, declarou o procurador de Créteil, leste de Paris.

“No total, recebeu 25 mil euros” de Fundos de garantia das vítimas de terrorismo e outras infrações (FGTI), precisou o procurador.

Segundo o FGTI, que tem a intenção de se assumir como parte civil, esta soma correspondia “a uma provisão sobre a indemnização total”.

A falsa vítima trabalhava para a associação de vítimas dos atentados Life for Paris, primeiro como voluntária e depois empregada assalariada desde março de 2017.

“Ela forjou documentos falsos a partir de documentos da associação e pelos quais conseguiu obter vantagens reservadas às vítimas dos atentados”, explicou ainda o procurador.

Em 13 de novembro de 2015, 130 pessoas foram mortas e centenas feridas numa série de atentados em Paris e Saint-Denis.

No total, 11 pessoas foram condenadas por tentativa de fraude entre 21 de novembro de 2016 e 1 de dezembro de 2017, precisou o FGTI.

Em dezembro, um homem que se fez passar por uma das vítimas do ataque de 2015 na sala de concertos Bataclan em Paris, quando não estava na sala no momento do atentado, foi condenado a seis meses de prisão efetiva.

Após o ataque do comando ‘jihadista’ que provocou 90 mortos, Cédric Rey reclamou uma indemnização junto do Fundo público de apoio às vítimas do terrorismo, mas o seu pedido não foi atendido devido à ausência de provas suficientes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Porque vou votar contra a eutanásia /premium

Inês Domingos

Vou votar contra porque acredito que a dignidade humana não se esgota com as nossas capacidades ou com o nosso estado de saúde. Para mim, a dignidade do ser humano persiste até ao último sopro. 

Congresso do PS

A caminho do bloco central? /premium

João Marques de Almeida

Costa quer lavar a imagem do PS perante o eleitorado e Rio é o melhor aliado para o fazer. Já Rio precisa de poder para se manter na liderança do PSD após 2019 e, como PM, Costa pode ajudar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)