Centenas de neonazis búlgaros desfilaram este sábado em Sófia para marcar o aniversário de Hristo Lukov, antigo tenente-general e ministro de Guerra da Bulgária. A manifestação decorreu nas ruas da capital búlgara, tendo começado numa igreja ortodoxa e terminado em frente à casa de Hristo Lukov.

Esta manifestação acontece todos os anos desde 2003. Porém, tem merecido especial atenção este ano uma vez que a Bulgária é, pela primeira vez, o país responsável pela presidência rotativa do Conselho da União Europeia. A manifestação chegou a ser proibida pela câmara de Sófia, mas uma ordem judicial reverteu essa decisão autárquica.

“Não há poder nenhum no mundo que nos possa proibir de honrar um herói, um soldado e um estadista, como o general Lukov foi, sem dúvida”, disse aos jornalistas no local Zvezdomir Andonov, um dos organizadores do desfile.

A manifestação também contou com a participação de grupos de extrema-direita da Alemanha, Estónia, Hungria e Suécia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Antes do desfile neonazi, houve uma contra-manifestação para protestar contra a homenagem a Hristo Lukov. “Estamos aqui para demonstrar que há pessoas contra qualquer tipo de discriminação, violência, regimes totalitários e que estão a favor da liberdade do povo e desejam que as pessoas vivam num mundo livre e justo”, disse Galina Lacheva, uma das organizadoras da contra-manifestação, citada pelo Sofia Globe.

Hristo Lukov notabilizou-se como líder da União Legiões Nacionais Búlgaras e foi morto por partisans comunistas em 1943. Até então, foi o maior defensor de políticas anti-semitas na Bulgária, que entre 1941 e 1944 se aliou à Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial, fazendo assim parte do Eixo.