Rádio Observador

Eslováquia

Jornalista de investigação eslovaco assassinado a tiro junto com a namorada

A polícia eslovaca acredita que o motivo por trás do homicídio são os recentes artigos publicados pelo jornalista relativas a evasão fiscal, sobretudo em negócios ligados ao empresário Marin Kocner.

DAVID DUDUCZ/EPA

O jornalista de investigação eslovaco Jan Kuciak, de 27 anos, e a sua namorada, Martina Kusnirova, foram encontrados mortos na casa onde moravam, em Bratislava. Os dois foram mortos a tiro no domingo.

O jornalista, que trabalhava para plataforma noticiosa Aktuality.sk, investigava maioritariamente importantes casos de evasão fiscal na Eslováquia, algo que o chefe da Polícia Nacional eslovaca, Tibor Gaspar, acredita estar “relacionado” com o homicídio.

“O motivo mais claro para este duplo crime é provavelmente o seu trabalho”, disse o comissário da polícia que está à frente da investigação.

O último artigo de Kuciak tinha sido publicado a 9 de fevereiro e referia-se a negócios de várias empresas ligadas ao empresário Marin Kocner, que está envolvido num escândalo político relacionado com apartamentos de luxo na capital eslovaca.

A reportagem esteve na origem de vários protestos em Bratislava, com os manifestantes a exigir a demissão do ministro do Interior da Eslováquia, envolvido em negócios com uma firma de construção que está a ser investigada por fraude fiscal.

Segundo os media locais citados pelo diário espanhol El Español, o jornalista chegou a denunciar à polícia que tinha recebido ameaças por parte do empresário Marin Kocner.

No ano passado, uma jornalista de investigação foi assassinada em Malta com uma bomba que foi colocada no seu carro. Caruana Galizia, de 53 anos, era conhecida por publicar frequentemente investigações que punham em causa a classe política maltesa, incluindo o primeiro-ministro do país, Joseph Muscat.

Organizações internacionais condenam homicídio

O Presidente da Comissão Europeia (CE), Jean-Claude Juncker, e a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) condenaram esta segunda-feira o homicídio “cobarde” do jornalista eslovaco de investigação Jan Kuciak e da sua companheira.

“Estou chocado com as terríveis notícias do assassinato de Jan Kuciak e da sua noiva. Condeno este ato cobarde. Matar ou intimidar jornalistas não tem lugar na Europa ou em qualquer democracia”, disse o Presidente da CE aos jornalistas em Belgrado.

Também o representante da OSCE para a Liberdade de Imprensa condenou o homicídio de Jan Kuciak. “Peço às autoridades que utilizem todos os meios para que os autores deste cruel crime duplo sejam trazidos à justiça”, apelou Harlem Désir, através de comunicado.

Désir manifestou-se “consternado” com a notícia, que comparou com o assassinato da jornalista Daphne Caruana Galizia em Malta, no ano passado.

“Não podemos aceitar uma nova realidade na qual os jornalistas se tornam alvos habituais por fazerem o seu trabalho de pesquisa”, avisou o representante.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)