O Parlamento Europeu aprovou esta quarta-feira uma proposta do Grupo Confederal da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde (GUE, a que pertencem PCP e BE) para que a Comissão Europeia tome uma posição sobre as “atividades de lobbying” do ex-presidente Durão Barroso. A proposta passou com 241 votos a favor, 133 contra e oito abstenções.

A proposta foi votada logo no início da sessão desta quarta-feira e pode levar a que, ainda esta tarde, um responsável do executivo de Jean-Claude Juncker seja ouvido sobre o caso Barroso. Em causa está, entre outras questões, a reunião que o ex-presidente da Comissão Europeia teve em outubro com o comissário Jyrki Katainen e que, segundo o registo feito pelo próprio comissário, terá servido para debater temas relacionados com o mercado e a Defesa da União.

Efeito Barroso. Parlamento Europeu corta privilégios de ex-membros da Comissão Europeia

Depois da saída de Durão Barroso da Comissão Europeia, o ex-presidente foi visado por fortes críticas por ter integrado a Goldman Sachs. O Observador explicou aqui tudo o que estava em causa nessa polémica, que levou, de resto, a uma revisão do código de conduta de ex-membros da Comissão Europeia.

Durão Barroso no Goldman Sachs. Porquê tanta polémica?

A proposta da GUE serve para incluir no ponto oito da agenda de trabalhos do mini-plenário desta semana do Parlamento Europeu, que decorre em Bruxelas, a discussão sobre “as atividades de lobbying” de Barroso e, em concreto, o seu encontro com o comissário Katainen. A proposta, confirmou ao Observador fonte da família socialista, conta com o apoio da eurodeputada Ana Gomes.

Juncker quer “período de nojo” de três anos na Comissão