Rádio Observador

Comer/Ver/Fazer

Oito jogos para o Playstation VR que tem mesmo de experimentar

Em 2018, a Sony continua a apostar na realidade virtual. Com o fim-de-semana à porta (e o mau tempo que promete continuar), reunimos oito sugestões de jogos para experimentar com o Playstation VR.

Apex Construct é um dos jogos de destaque do PlayStation VR, e o título de estreia do estúdio Fast Travel Games

É um dado adquirido que a realidade virtual (RV) veio para ficar. Com o lançamento do Playstation VR, no final de 2016, este tipo de entretenimento tornou-se mais acessível, mas havia quem achasse que o conteúdo disponível não justificava a aposta. Felizmente, estes primeiros meses de 2018 vieram eliminar essas dúvidas, com o lançamento de títulos RV para a Playstation 4, nomeadamente de The Inpatient, uma das primeiras grandes apostas da Sony para este ano. Com este jogo, a marca procurou “acalmar” todos os early adopters (os primeiros a experimentar novos produtos) da tecnologia que, além alguns videojogos específicos de RV, ainda não tinham à sua disposição um catálogo comparável aos concorrentes do PC.

Além do relançamento em RV de dois blockbusters desta década, Skyrim e Doom, este primeiro trimestre da Playstation 4 está a ser amplamente dedicado à realidade virtual. Os oito jogos recém-lançados são algumas das nossas sugestões para o Playstation VR.

Megaton Rainfall

Sempre que vemos alguém queixar-se das dificuldades logísticas de desenvolver um jogo (que existem, especialmente no mercado indie), devemos pensar em Megaton Rainfall, um jogo de RV estrondoso desenvolvido por apenas uma pessoa. Ambicioso e detalhado, este jogo é um simulador de super-herói na primeira pessoa, com uma atenção impressionante ao detalhe.

No jogo, temos de impedir uma invasão alienígena à Terra, voando à volta do globo e rebatendo a ameaça em diversas locais. À medida que vamos avançando, recebemos novos poderes, que levam a experiência de super-humano a outro patamar. Mas o que surpreende do ponto de vista de execução é o detalhe da construção algorítmica das cidades e a forma como conseguimos ver todos os pormenores da sua destruição nos nossos embates com as forças inimigas.

Megaton Rainfall é uma experiência mais únicas no catálogo de realidade virtual e um jogo obrigatório para todos os utilizadores do Playstation VR.

Superhot VR

Um dos mais criativos first person shooters dos últimos anos, o Superhot foi recentemente trazido para o ambiente de RV, captando a atenção dos media e dos jogadores quando as primeiras imagens do protótipo foram divulgadas.

Neste jogo criado por Piotr Iwanicki e pela sua equipa, o tempo só avança quando nos movemos, permitindo-nos explorar cada cenário e eliminar todos os inimigos da forma mais eficaz possível. Jogar Superhot VR é a melhor forma de tornar ainda mais imersiva uma ideia brilhante, num género que tantas vezes peca por não se conseguir reinventar.

Moss

Moss é um dos jogos familiares para o Playstation VR (ainda que a utilização do dispositivo seja aconselhável apenas para maiores de 12 anos) e faz-nos sentir que estamos dentro de um mágico livro infantil. Neste jogo, a nossa missão é ajudar a conduzir o pequeno herói-rato por uma série de níveis, numa lenda de aventura que é uma das melhores abordagens de escala e imersão em RV. Observar os detalhes do cenário, a profundidade de campo dos diversos planos e um mundo criado para a estatura de um rato sob o olhar de um “gigante”, ajudam a tornar este jogo de plataformas e puzzle um dos títulos obrigatórios para o Playstation VR.

Sprint Vector

Sprint Vector é um dos jogos do momento que mais calorias nos fará queimar. Neste jogo de corrida, o circuito é uma aventura louca de obstáculos. Visualmente brilhante, este jogo utiliza ao máximo as possibilidades técnicas da plataforma para criar uma arena de corrida imersiva.

O grande ponto de venda de Sprint Vector é o quanto consegue mascarar o exercício físico real com o jogo virtual. Utilizando um sistema chamado “locomoção fluída”, a nossa personagem corre ao movermos os nossos braços como se estivéssemos realmente a correr, apesar de estarmos parado. Cansativo e divertido, Sprint Vector é uma forma curiosas de introduzir actividade física num ambiente competitivo de RV.

Sparc

Sparc tem uma missão muito clara: inventar uma modalidade desportiva num ambiente em RV. Criado como um desporto de duelo, este consiste em dois jogadores que, frente-a-frente, terão de ricochetear duas esferas de energia (cada uma da sua cor) pelas paredes, tecto e chão. O objectivo é simples: conseguir acertar com alguma dessas esferas no adversário, levando-o a falhar o embate na bola com o seu escudo. Se nos desviarmos da bola do adversário e esta acertar na parede atrás de nós (marcando “golo”), ela crescerá de tamanho e ficará mais rápida, tornando-se mais difícil de defender.

O cinema fez-nos sonhar com desportos virtuais do futuro, e a realidade (virtual) tem-se encarregado de os criar.

Apex Construct

Esta é uma história de ficção científica num mundo pós-apocalíptico, diferente dos lugares-comuns a que estamos habituados. Neste jogo, entramos na pele do último humano que existe e somos guiados por uma estranha entidade chamada Fathr. Esta afirma querer restabelecer a beleza e a vida do mundo e que está em guerra com Mothr, que abertamente quer destruir toda a vida. Apex Construct consegue equilibrar muito bem a construção narrativa deste mundo e faz-nos querer perceber se estamos ou não a ser instrumentalizados e em perceber o é que aconteceu à humanidade para sermos o último sobrevivente.

Com a física desenvolvida neste segmento a ser mais rigorosa do que muitos jogos de acção nos entregam, Apex Construct faz-nos explorar a Terra vazia de pessoas e povoada apenas por robots, cuja única missão é destruir a vida humana. Esta é uma das melhores experiências narrativas disponíveis no Playstation VR, principalmente porque consegue equilibrar segmentos dinâmicos com o desenvolvimento da história.

Bravo Team

Bravo Team, o segundo título exclusivo para o Playstation VR do estúdio Supermassive Games, parece ser um projecto encomendado para a Sony para promover a utilização do chamado controlador de mira (lançado no ano passado para acompanhar o jogo Farpoint) e, ao mesmo tempo, uma tentativa de ressuscitar os shooters na primeira pessoa.

Este é possivelmente o jogo menos bem-conseguido do estúdio britânico, e até um dos seus títulos anteriores, Until Dawn: Rush of Blood, responde melhor dentro deste nicho dos jogos de tiros em carris. Indicado apenas para quem tem saudades deste género quase esquecido, que teve o seu apogeu na segunda metade da década de 1990.

Monster of the Deep: Final Fantasy XV

Poucas séries se podem dar a alguns luxos como Final Fantasy. Com uma falange de apoio estrondosa, a famosa série tem-se mantido entre as mais populares, apesar da qualidade das últimas produções ter sido inconstante. Final Fantasy XV, o último título principal da série, tem, contudo, recebido especial atenção. Independentemente do motivo, (longas e curtas-metragens que complementam a história, jogos mobile que outras perspetivas dentro da guerra travada no jogo, etc.), percebe-se que a Square Enix tentou rentabilizar ao máximo uma das suas jóias da coroa.

Monster of the Deep: Final Fantasy XV é um spinoff que aborda um segmento muito específico de Final Fantasy XV: as sequências em mini-jogo de pesca. Aqui somos levados para dentro da história, convivemos com os protagonistas e sentimos, ainda que numa experiência curta, que pertencemos a este mundo. Ainda que seja uma boa abordagem para a RV, este é um daqueles títulos que será mais indicado para quem conhece e gosta do título original ou para quem não consigue resistir a um bom jogo de pesca. E para estes últimos, Monster of the Deep: Final Fantasy XV é verdadeiramente obrigatório.

Ricardo Correia, Rubber Chicken

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)