O antigo conselheiro da Casa Branca, Steve Bannon, foi a estrela convidada do congresso da Frente Nacional, partido liderado por Marine Le Pen. O ex-estratega de Trump, que foi afastado do Conselho de Segurança nos primeiros meses da nova administração americana, deixou várias mensagens de encorajamento ao partido de extrema direita francês, entre os quais:

“Deixem que vos chamem racistas. Deixem que vos chamem xenófobos. Usem-no como um emblema (badge) de honra”.

“A História está do nosso lado.”

Steve Bannon, um admirador antigo da Frente Nacional, aproveitou uma ronda por vários países europeus para mostrar o seu apoio ao partido liderado por Marine Le Pen, a política que disputou as presidenciais francesas com Emmanuel Macrón no ano passado. Apesar de não estar já na equipa do presidente americano, Bannon mantém o discurso de defesa do fecho das fronteiras e anti imigração que ajudou Trump a ganhar as eleições.

Antes do “América First” — a América Primeiro, de Trump — ouviu-se o “L’Interétêt des Français avant tout” — os interesses dos franceses acima de tudo, de Marine Le Pen.

A Frente Nacional está reunida em congresso na cidade de Lille, na procura de uma reinvenção do partido depois da derrota contra o candidato independente e pró-globalização, Macron. Mas o discurso de Bannon pode não ajudar na mudança de imagem do partido. O antigo conselheiro de Trump defendeu ainda que a Frente Nacional faz parte de um movimento global que ultrapassa as fronteiras da França e da Itália, cujos resultados eleitorais — com os movimentos anti-sistema e anti-imigração a derrotarem os partidos tradicionais — Bannon classificou de um abalo sísmico.

A tourné europeia surge no momento de incerteza sobre o seu papel político nos Estados Unidos. Depois de ter sido removido da equipa de Trump no ano passado, Steve Bannon abandonou o cargo de presidente de Breitbart News Network no início do ano, em ruptura pública com o Presidente americano,