Rádio Observador

Augusto Santos Silva

Comunidade islâmica em Portugal é “totalmente imune a fenómenos de radicalização” – MNE

602

Augusto Santos Silva considerou que a comunidade islâmica em Portugal é "imune a fenómenos de radicalização", salientando que a diplomacia portuguesa procura colaborações com instituições muçulmanas.

Filipa Bernardo/LUSA

O ministro dos Negócios Estrangeiros considerou esta quinta-feira que a comunidade islâmica em Portugal é “totalmente imune a fenómenos de radicalização”, salientando que a diplomacia portuguesa procura novas colaborações com instituições muçulmanas para que este cenário se mantenha.

Augusto Santos Silva falava à Lusa no final de uma reunião, no Ministério dos Negócios Estrangeiros, em Lisboa, com o grande imã da Mesquita de Al-Azhar, do Cairo, xeque Ahmed Mohamed el-Tayeb. Além de ser uma das autoridades religiosas sunitas, o xeque é presidente da Universidade Al-Azhar do Cairo, a maior e mais antiga universidade do mundo islâmico.

“Temos todo o interesse em estreitar a colaboração com a universidade”, disse o ministro português, recordando que se trata do “principal centro intelectual, religioso e moral do Islão, pelo menos do Islão sunita”.

“Em primeiro lugar, porque temos uma importante e muito bem integrada comunidade islâmica entre nós. Como disse ao imã, ‘é nos dias de sol que se repara o telhado’. E o facto de essa comunidade islâmica que existe em Portugal ser totalmente imune a fenómenos de radicalização deve ser para nós um incentivo, para que façamos – da nossa parte – o que for necessário para que ela continue assim”, referiu Santos Silva.

Por outro lado, disse o chefe da diplomacia portuguesa, “a Universidade de Al-Ahzar está a preparar a abertura de um departamento de língua portuguesa”.

“Isso é muito importante para nós, pensando não só nos portugueses, como em todos aqueles que falam português no Mundo e que professam a religião muçulmana ou têm interesse pelo Islão”, declarou o ministro.

Santos Silva acrescentou ainda que Portugal tem vindo a desenvolver no Egito, “com bons resultados”, um programa de promoção da língua portuguesa.

“Temos protocolos de cooperação com a Universidade do Cairo e a Universidade Aswan que permitem o ensino regular, graduado e pós-graduado de português. A possibilidade de ter uma outra universidade com a dimensão e a importância desta [Universidade de Al-Ahzar] é muito importante para nós. Por isso esteve aqui o Instituto Camões”, concluiu.

Santos Silva e o xeque Ahmed Mohamed el-Tayeb estiveram reunidos cerca de uma hora. No final apenas o chefe da diplomacia portuguesa esteve disponível para falar à imprensa.

A comunidade islâmica em Portugal conta com cerca de 50 mil fiéis e 51 mesquitas e locais de culto, distribuídos por várias zonas do país, nomeadamente área da Grande Lisboa, Porto e zona do Algarve, estimou esta quinta-feira à Lusa o presidente da Comunidade Islâmica de Lisboa, Abdool Vakil.

Ao contrário de Espanha, em Portugal têm sido raras as detenções de muçulmanos por posse ou distribuição de documentos ou material informático de apologia do terrorismo e de apoio ou captação para grupos terroristas como o Estado Islâmico, a Al-Qaeda ou outros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)