Política

José Sócrates volta à Universidade para falar sobre a crise pré-troika

3.604

O ex-primeiro-ministro volta à universidade para uma conferência em Coimbra sobre a crise económica, que terá o apoio da RTP. Estudantes reconhecem escolha controversa, mas lembram papel de Sócrates.

AFP/Getty Images

José Sócrates vai falar sobre a crise económica que antecedeu e motivou a intervenção da troika em Portugal. A conferência acontece na próxima quarta-feira e é organizada pelo núcleo de estudantes da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Conta com os apoios da Universidade de Coimbra, da Faculdade de Economia e ainda da RTP e da Antena 1.

Ao Expresso, Simão Carvalho, presidente daquele núcleo de estudantes, justificou o convite com o facto de José Sócrates ter sido “primeiro-ministro nos anos da crise, na sequência da falência do Lehman Brothers”.

“Achámos interessante que pudesse fazer uma retrospectiva do que foi a sua ação e o seu pensamento nesse período. É um tema atual, tendo em vista as atuais consequências da crise, desde a ascensão dos movimentos populistas, às diversas fragilidades da União Europeia, o Brexit, etc.”, nota aquele responsável estudantil.

Mesmo reconhecendo que o ex-primeiro-ministro português é uma figura controversa, Simão Carvalho argumenta que José Sócrates “é incontornável no panorama político português” e, como tal, faz sentido “ouvir o seu ponto de vista do que eram os seus projetos para uma solução para a crise”.

Este é o quarto convidado pelo núcleo de estudantes da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. O ciclo de conferências começou em fevereiro com a palestra de Pedro Passos Coelho, neste caso sobre o Orçamento do Estado para 2018. Daí para cá, houve uma outra conferência sobre o Governo de António Costa (e que contou com Jorge Coelho e Marques Mendes) e uma outra palestra sobre a evolução do sistema bancário, que teve como oradora Teodora Cardoso, presidente do Conselho de Finanças Públicas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

E se o nosso futebol fosse gerido por comunistas?

João Pestana de Vasconcelos
1.463

Se aplicássemos as ideias comunistas ao futebol português, deixaríamos as boas intenções de ajudar os mais desfavorecidos arruinar a sua competitividade. Porque havemos de as aplicar à nossa economia?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)