Prémios e Galardões

Sobreiro de Águas de Moura premiado como Árvore Europeia do Ano

2.863

O sobreiro assobiador, acerca do qual o Observador tinha já feito uma reportagem, venceu o prémio de Árvore Europeia do Ano. Portugal concorreu pela primeira vez e contra 12 países.

O sobreiro ‘assobiador’ de Águas de Moura, em Palmela, Setúbal, com 234 anos venceu o concurso da Árvore Europeia do Ano, com 26.606 votos, foi anunciado esta quarta-feira no Parlamento Europeu (PE), em Bruxelas.

Atrás do sobreiro ‘assobiador’ — assim chamado devido aos pássaros que se juntam a chilrear na sua copa ao fim do dia — ficaram os ulmeiros ancestrais de Cabeza Buey (Espanha), com 22.323 votos, e um carvalho chamado ‘o Ancião das Florestas de Belgorod’, na Rússia.

Como o Observador escreveu, debaixo daquele que é considerado o sobreiro mais velho do mundo pelo Livro do Record do Guiness cabem muitas histórias e memórias. Há quem não goste de lhe chamar sobreiro ‘assobiador’, como é o caso de Adélia: “Eu nunca ouvi para lá assobio nenhum”, disse. Mas para quem não gosta deste nome há ainda outro com o qual é apelidado: “Sobreiro Casamenteiro”, é assim que lhe chama a presidente da junta, Cecília Sousa, acrescentando que é “uma tradição já antiga” relacionada com os casamentos de ciganos que ali festejavam a celebração durante dias e dias, mas também “porque dizem que debaixo desta árvore se namora e se arranjam muitos casamentos”.

Mas há também quem ali, debaixo daquele sobreiro, tenha posto fim à vida. Foi o caso de um homem de 70 anos que um dia foi avistado por Adélia, e outras pessoas, a caminhar com um banco na mão, tendo sido depois encontrado pendurado numa das pernadas do sobreiro. O sobreiro vencedor do prémio, com 16 metros de altura, carrega, assim, histórias felizes e outras nem tanto.

Em nome da candidatura portuguesa, o secretário-geral da União da Floresta Mediterrânica (Unac), Nuno Calado, disse estar muito feliz pela vitória portuguesa, “não só por ser a primeira vez que Portugal participa no concurso, mas também porque tem sido um ano muito difícil”.

O anúncio coincidiu com o Dia Internacional da Floresta e a cerimónia decorreu no Parlamento Europeu (PE), em Bruxelas. Portugal participou pela primeira vez nesta iniciativa, tendo a votação decorrido online até 28 de fevereiro.

A árvore vencedora foi plantada mesmo no centro de Águas de Moura, em 1874, e tem hoje 234 anos e 16,2 metros de altura. A árvore foi já descortiçada mais de 20 vezes e está classificada como “Árvore de Interesse Público” desde 1988 e inscrita no Livro de Recordes do Guinness como “o maior sobreiro do mundo”.

Portugal competiu com outros 12 países europeus: Bélgica, Bulgária, Croácia, República Checa, Hungria, Lituânia, Polónia, Roménia, Rússia, Eslováquia, Espanha e Reino Unido.

Leia a história sobre o sobreiro de Águas de Moura e percorra a fotogaleria.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)