Prémios e Galardões

Sobreiro de Águas de Moura premiado como Árvore Europeia do Ano

2.863

O sobreiro assobiador, acerca do qual o Observador tinha já feito uma reportagem, venceu o prémio de Árvore Europeia do Ano. Portugal concorreu pela primeira vez e contra 12 países.

O sobreiro ‘assobiador’ de Águas de Moura, em Palmela, Setúbal, com 234 anos venceu o concurso da Árvore Europeia do Ano, com 26.606 votos, foi anunciado esta quarta-feira no Parlamento Europeu (PE), em Bruxelas.

Atrás do sobreiro ‘assobiador’ — assim chamado devido aos pássaros que se juntam a chilrear na sua copa ao fim do dia — ficaram os ulmeiros ancestrais de Cabeza Buey (Espanha), com 22.323 votos, e um carvalho chamado ‘o Ancião das Florestas de Belgorod’, na Rússia.

Como o Observador escreveu, debaixo daquele que é considerado o sobreiro mais velho do mundo pelo Livro do Record do Guiness cabem muitas histórias e memórias. Há quem não goste de lhe chamar sobreiro ‘assobiador’, como é o caso de Adélia: “Eu nunca ouvi para lá assobio nenhum”, disse. Mas para quem não gosta deste nome há ainda outro com o qual é apelidado: “Sobreiro Casamenteiro”, é assim que lhe chama a presidente da junta, Cecília Sousa, acrescentando que é “uma tradição já antiga” relacionada com os casamentos de ciganos que ali festejavam a celebração durante dias e dias, mas também “porque dizem que debaixo desta árvore se namora e se arranjam muitos casamentos”.

Mas há também quem ali, debaixo daquele sobreiro, tenha posto fim à vida. Foi o caso de um homem de 70 anos que um dia foi avistado por Adélia, e outras pessoas, a caminhar com um banco na mão, tendo sido depois encontrado pendurado numa das pernadas do sobreiro. O sobreiro vencedor do prémio, com 16 metros de altura, carrega, assim, histórias felizes e outras nem tanto.

Em nome da candidatura portuguesa, o secretário-geral da União da Floresta Mediterrânica (Unac), Nuno Calado, disse estar muito feliz pela vitória portuguesa, “não só por ser a primeira vez que Portugal participa no concurso, mas também porque tem sido um ano muito difícil”.

O anúncio coincidiu com o Dia Internacional da Floresta e a cerimónia decorreu no Parlamento Europeu (PE), em Bruxelas. Portugal participou pela primeira vez nesta iniciativa, tendo a votação decorrido online até 28 de fevereiro.

A árvore vencedora foi plantada mesmo no centro de Águas de Moura, em 1874, e tem hoje 234 anos e 16,2 metros de altura. A árvore foi já descortiçada mais de 20 vezes e está classificada como “Árvore de Interesse Público” desde 1988 e inscrita no Livro de Recordes do Guinness como “o maior sobreiro do mundo”.

Portugal competiu com outros 12 países europeus: Bélgica, Bulgária, Croácia, República Checa, Hungria, Lituânia, Polónia, Roménia, Rússia, Eslováquia, Espanha e Reino Unido.

Leia a história sobre o sobreiro de Águas de Moura e percorra a fotogaleria.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições no Brasil

O solipsismo colectivo /premium

Paulo Tunhas

Os missionários de esquerda vivem isolados do mundo numa bolha que generosamente lhes permite uma espécie de solipsismo colectivo. Só eles, como um todo, existem, só eles são dotados de alma.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)