Mundo

Estes seis países fazem 100 anos este ano

1918 foi um ano complexo para a geopolítica mundial. Depois da revolução russa de 1917 e do final da Primeira Guerra Mundial, vários países fizeram o seu caminho para a independência.

AFP/Getty Images

A Primeira Guerra Mundial terminava, o império austro-húngaro caía e a revolução russa rebentava um ano antes: 1918 foi um ano complexo para a geopolítica mundial, que culminou na autonomização de vários países. É o caso dos países bálticos, por exemplo, como explica o El País. O centenário da sua independência celebra-se, por isso, este ano. Que países são estes que em 2018 fazem 100 anos?

Estónia

Com a revolução russa, a Estónia declarou a sua independência a 24 de fevereiro de 1918 — poucos dias antes de a Rússia assinar o tratado Brest-Litovsk, que pôs fim à sua participação na Primeira Grande Guerra e passou a soberania dos países bálticos à Alemanha. Com a derrota da Alemanha, a Estónia recuperou a sua independência dois anos depois, em 1920.

O país manteve a democracia até 1934 quando, na sequência dos efeitos da Grande Depressão, acabaria por dissolver o Parlamento e Konstantin Päts instaurou um regime autoritário. Em 1940, Estaline faz da Estónia uma das repúblicas socialistas soviéticas da URSS, e so em 1991, depois da queda do muro de Berlim, é que a Estónia recupera a sua independência. Pertence à União Europeia desde 2004, e ao euro desde 2011.

Letónia

Com uma história semelhante à da Estónia, a Letónia declarou a sua independência da Rússia em novembro de 1918. Depois de ter passado por um regime autoritário comandado por Kärlis Ulmanis, em 1940 foi invadida pelo exército soviético, passando a ser parte integrande da URSS. Foi em agosto de 1991 que a Letónia voltou a declarar-se independente.

Lituânia

História diferente tem a Lituânia, que fez 100 anos no passado dia 16 de fevereiro. Já tinha sido um país independente, depois de, em meados do século XIII, ter visto as tribos lituanas unirem-se em torno do rei Mindaugas, dando início a um grão-ducado que se juntou à Polónia em 1385. Mas a união entre a Lituânia e a Polónia tinha os dias contados e a partir do século XVIII a Lituânia caiu no domínio russo.

Em 1915, contudo, a Alemanha ocupou a Lituânia com o objetivo de criar um Estado satélite no final da Primeira Guerra Mundial. Em 1918 o país declarou a sua independência, que durou até à Segunda Guerra Mundial. E a história repetiu-se: a Lituânia passou a ser uma república soviética da URSS, até recuperar a sua soberania em 1991.

Bielorrússia

Era a mais pequena das repúblicas eslavas da União Soviética e, apesar de ter uma língua e identidade própria, só foi independente em 1918: antes tinha estado debaixo da soberania da Lituânia, da Polónia e, a partir do século XVIII, da Rússia. A independência proclamada em 1918, contudo, não duraria muito tempo: a Alemanha, que tinha defendido a criação da República Nacional da Bielorrússia, perdeu a guerra e a Bielorrússia tornou-se uma das quatro repúblicas fundadoras da União Soviética.

Só veio a declarar depois a sua independência em 1991. O governo de 1918 manteve-se exilado em oposição ao domínio comunista da URSS, primeiro, e depois à ditadura de Aleksander Lukashenko, que chegou ao poder em 1994. O dia da independência é celebrado a 25 de março.

Azerbeijão

Não havia Estado do Azerbeijão até ao ano de 1918. Depois da revolução russa, o Azerbeijão, a Arménia e a Geórgia uniram-se numa república federal, mas não  durante muito tempo. Os três países declararam a sua independência, sendo que só o Azerbeijão é que conquistou a sua soberania pela primeira vez.

Em 192 as tropas soviéticas entraram no país e o Azerbeijão tornou-se parte da URSS: só voltaria a declarar independência em 1990. Daí até 1994 esteve em guerra como os independentistas arménios da região do Alto Karabaj.

Islândia

Foi a 1 de dezembro de 1918 que a Islândia acordou a sua independência com a Dinamarca, apesar de Copenhaga continuar a controlar a sua política externa. A ideia era manter o acordo durante 25 anos, mas em 1944, de forma unilateral, os islandeses romperam os laços constitucionais com a Dinamarca e, em junho de 1944, estabeleceram uma república.

Segundo um vídeo promocional a propósito do centenário da independência, restam não mais do que uns 70 inslandeses nascidos em 1918 ou antes.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

O Roteiro dos Quatro Presidentes

António Covas

É esta acumulação de riscos, esta “desesperança no futuro”, onde o elevador social parece não funcionar, que estão a minar, a pouco e pouco, a confiança nas instituições e a criar o azedume político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)