Rádio Observador

Alimentação

Morangos. O alimento mais ‘sujo’ de 2018 nos Estados Unidos

18.004

Um estudo científico do Environmental Working Group selecionou a lista de "comidas sujas" (mais sujeitas a químicos) onde aparecem tanto frutas como legumes. Morangos lideram o ranking norte-americano

Getty Images/iStockphoto

Os morangos são os “vencedores” da lista de comidas “mais sujas” de 2018. Segundo o Environmental Working Group — organização norte-americana sem fins lucrativos –, este fruto foi o que mais evidenciou a presença de substancias químicas e pesticidas.

No total, a lista inclui 12 entradas, tanto frutas como vegetais, e nela figuram alimentos como espinafres (o 2º classificado do estudo), nectarinas, maçãs, uvas, pêssegos, cerejas, peras, tomates, aipo, batatas e pimentos — todos eles enumerados segundo o ‘ranking’ de sujidade.

De facto, quase 70% dos alimentos cultivados convencionalmente — de forma não biológica — deu origem a amostras contaminadas, revelam os testes feitos. O estudo em questão é realizado anualmente desde 2004 e analisa 47 das mais populares frutas e legumes, elaborando depois um guia, o Shoper’s Guide to Pesticides in Produce — uma espécie de ‘guia de artigos com químicos’.

O guia é baseado nos resultados dos testes feitos pelo Departamento de Agricultura dos EUA, em parceria com a Food and Drug Administration, a mais de 38.800 amostras. Cada teste é realizado de forma a assemelhar-se o máximo possível com a utilização do público geral, daí todos os testes envolverem o lavar e descascar do alimento em questão.

No caso particular dos morangos, o estudo mostrou que uma única amostra tinha a presença de 20 pesticidas. Mais de 98% de todos os casos revelaram a existência de pelo menos um pesticida.

Impacto nas doenças crónicas

As crianças são as mais vulneráveis aos malefícios destes químicos, isto porque ainda não têm as suas defesas tão desenvolvidas como os adultos.

A pesquisa “sugere que pesticidas podem dar origem a complicações de saúde crónicas em crianças, incluindo problemas de neurodesenvolvimento ou de comportamento, defeitos de nascença, asma ou cancro,” explicam os autores do relatório de 2012 da American Academy of Pediatricians, que são citados pelos organizadores do estudo.

Mas há alguma forma de contornar os efeitos nocivos destes químicos?  Segundo a Connecticut Agricultural Experiment Station, um grupo de investigação científica associado ao governo, lavar os alimentos debaixo de água corrente pode ser uma boa forma de eliminar ou reduzir a presença destes químicos, desde que o tempo de exposição a água corrente seja igual ou superior a 30 segundos.

Contudo, um estudo recente da Universidade de Massachusetts Amherst afirma que o método mais eficiente de limpar alimentos é deixá-los mergulhados numa solução de água com bicarbonato de sódio.

E os mais limpos?

Como contraponto desta lista nociva, o mesmo Environmental Working Group (EWG) define o top 15 dos alimentos “mais limpos”. Nele, o abacate é líder, seguido do milho doce, ananás, couve, cebola, ervilhas congeladas, papaia, espargos, manga, beringela, melão, kiwi, meloa, couve-flor e brócolos.

Ambos os vegetais que ficaram nos lugares cimeiros deste ranking — abacate e milho doce — apenas revelaram presença de pesticidas em menos de 1% das amostras analisadas. Mais de 80% dos ananases, papaias, espargos, cebolas e couves deram resultado negativo, quando testadas sobre a presença de pesticidas.

A EWG ressalva que uma pequena porção do milho, papaias e abóboras vendidas nos EUA são produzidas com recurso a sementes geneticamente modificadas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

Portugal não era nem é racista

João Pedro Marques

Será o racismo um problema real, tanto no tempo de Vasco Santana como agora, ou foi a nossa noção de racismo que mudou a tal ponto que tendemos a chamar racismo a coisas que o não eram e o não são? 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)