Imprensa

The Economist. Governo de esquerda tem sucesso porque não é “especialmente de esquerda”

1.006

Análise da revista The Economist, que entrevistou António Costa, defende que "o governo de esquerda está a ter sucesso, em parte, porque não é especialmente de esquerda".

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

“O governo de esquerda está a ter sucesso, em parte, porque não é especialmente de esquerda”. Esta é uma das principais conclusões de um artigo de análise publicado na revista The Economist, que partiu de uma entrevista com o primeiro-ministro, António Costa. Se os partidos socialistas europeus, quase todos em dificuldades, quiserem perceber porque é que a “geringonça” se mantém e porque é que Costa tem sondagens “invejáveis”, podem procurar “inspiração” no governo PS — mas “ideias” não há muitas, “terão de ir procurá-las a outro lugar”.

A revista económica, uma das mais lidas por políticos, empresários e investidores de todo o mundo, escreve que “para já, o Governo está concentrado no défice e na dívida, e não em investimento ou serviços públicos. Um governo de centro-direita estaria a fazer mais ou menos a mesma coisa”.

Foi, em grande parte, graças a “uma boa dose de ótima sorte” que António Costa conseguiu estabelecer-se no Governo, apesar da derrota nas eleições. O Governo entrou em funções precisamente na altura em que “a retoma estava a descolar, graças ao crescimento nos mercados europeus que recebem 70% das suas exportações, e partindo das medidas tomadas pelo governo anterior”.

Por outro lado, o BCE manteve os mercados calmos com as medidas de estímulo e o turismo “explodiu, graças à instabilidade nos outros países com clima ameno”. E, finalmente, “o tema da imigração, que está a destruir tantos partidos de esquerda na Europa, não perturba os eleitores portugueses”.

A chave para a estratégia de António Costa está a ser governar com o apoio da extrema-esquerda, que o apoia “a troco de cedências modestas ao nível das políticas”, como o aumento do salário mínimo e a interrupção de privatizações. Mas ao mesmo tempo que manteve o rumo de consolidação das contas públicas, diz a The Economist, o governo de António Costa “cortou, com um machado, no investimento público — que em 2016 foi o mais baixo de toda a União Europeia”.

No fundo, “o governo de esquerda está a ter sucesso porque não está a ter políticas que sejam, particularmente, de esquerda”, conclui a revista. Mas, a julgar pelas declarações de António Costa, não está fora de questão que volte a haver um governo apoiado numa maioria de esquerda. “Porque não”, diz António Costa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Páscoa

A Boa Nova, os boatos e as ‘fake news’

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

O Evangelho é, etimologicamente, a boa nova, mas não faltam pessoas que pensam que é um boato sem fundamento ou, pior ainda, mais uma ‘fake news’.

Política

Humilhadas e ofendidas

Alberto Gonçalves
189

O problema põe-se ao contrário: a maioria das senhoras (e dos cavalheiros, calculo) é competente o bastante para evitar a política e deixá-la ao cuidado dos que, independentemente do sexo, não são.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site