Rádio Observador

Supervisão Bancária

Reclamações bancárias com maior subida desde 2013. CTT lideram queixas em contas e crédito ao consumo

O número de reclamações bancárias cresceu 8,1% no ano passado. O Banco CTT liderou o número de queixas no crédito ao consumo e contas. O BIC Português recebeu mais queixas no crédito à habitação.

Inacio Rosa/LUSA

O Banco de Portugal recebeu no ano passado 15.282 reclamações de clientes bancários, o que representa um acréscimo de 8,1% face a 2016. Este é maior crescimento no número de reclamações desde 2013, o ano que antecedeu o colapso do Banco Espírito Santo em que as queixas subiram 15%. Cerca de metade destas reclamações chegou diretamente ao supervisor, de acordo com o relatório de supervisão comportamental, divulgado esta segunda-feira.

O aumento das reclamações fez-se sentir com mais força nos segmentos do crédito ao consumo e no crédito à habitação. No primeiro caso aumentaram 26,4% no ano passado, refletindo também uma retoma no número de novos contratos de crédito hipotecário registado no ano passado. As cláusulas contratuais foram a principal razão para as queixas apresentadas, mas foi nas comissões que se registou maior subida no número de queixas. No caso do crédito ao consumo, as queixas subiram 7,9%. O reporte de informação por parte dos bancos à central de responsabilidades de crédito, à qual são comunicadas as situações de incumprimento, foi o fator que motivou maior número de queixas.

As maiores subidas em termos relativos verificaram-se nas operações em dinheiro e nas caixas multibanco, mas sem grande expressão nos números totais.

O Banco CTT surge como a instituição bancária que recebeu o maior número de reclamações em dois dos três segmentos analisados pelo Banco de Portugal — contas de depósito à ordem e crédito ao consumo, com o número de queixas neste último segmento ser mais de 20 superior à média verificada por mil, situando-se nos 6,83. Já no crédito hipotecário, o Banco BIC Português liderou o número de reclamações.

A instituição bancária dos correios não aparecia na lista de maiores reclamações no ano anterior, porque não tinha ainda um período de 12 meses de operação que permitisse a comparação com outros bancos. Aliás, no caso do crédito à habitação, o Banco CTT ainda não foi considerado na elaboração do top de 2017 porque não teve atividade durante todo o ano.

Nas reclamações encerradas no ano passado, o Banco de Portugal só detetou infrações em 38% dos casos, tendo a situação sido resolvida pela instituição por sua iniciativa ou por exigência do supervisor. Ainda assim, foram instaurados 55 processos de contraordenação contra 21 instituições bancárias, a maioria das quais foi consequência da avaliação de 131 reclamações. Contas de depósito e crédito ao consumo foram os segmentos em que foram abertos mais processos.

A atividade de fiscalização dos produtos e comportamentos bancários passou ainda pela análise à informação e publicidade de produtos, com o crédito automóvel a apresentar a maior percentagem de incumprimentos, cerca de 11%. 

Os dados reportados pelo Banco de Portugal apontam ainda para abertura de 626.850 novos processos de regularização de créditos em incumprimento fora do sistema judicial, o que traduz uma queda de 12,3% face a 2016. A grande maioria destes processos, apresentados no quadro do PERSI (procedimento extrajudicial de regularização de situações de incumprimento), concentrou-se em contratos de crédito ao consumo. No crédito à habitação, foram abertos 96387 novos processos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)