Donald Trump cancelou o encontro com Kim Jong-un, marcado para 12 de junho. Em carta enviada ao líder norte-coreano, divulgada esta quinta-feira pela Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos da América diz que não sente ser apropriado realizar uma cimeira “nesta altura”.

Agradecendo “o tempo, paciência e esforço” dispensado “com as recentes negociações e discussões” relativas à cimeira de 12 de junho, Trump afirma que, “infelizmente” e “com base na raiva tremenda e aberta hostilidade demonstradas no mais recente comunicado” de Kim Jong-un, não será possível realizar o encontro. “Deixe que esta carta irva para mostrar que a cimeira de Singapura, para o bem dos dois lados, mas para o deterimento do mundo, não irá acontecer.”

“Fala das vossas capacidades nucleares, mas as nossas são tão massivas e poderosas que rezo a Deus para que nunca sejam usadas”, ameaça Trump.

Documento divulgado pela Casa Branca

Na carta, com data desta quinta-feira, Trump diz ter sentido que se estava a ser construido “um diálogo fantástico” com Kim, e que isso é a única coisa que interessa. “Espero poder encontrar-me consigo um dia”, afirma, agradecendo a “libertação de refés” norte-americanos “que agora estão em casa com as suas famílias”. “Foi um gesto bonito que foi muito apreciado.”

“Se mudar de ideias, telefone-me”

Apesar do cancelamento do encontro, Donald Trump não põe de lado a hipótese de uma reconsiliação entre as duas partes, dizendo a Kim para lhe ligar “se mudar de ideias”.

“Se mudar de ideias em relação a esta cimeira importante, por favor não hesite em telefonar-me ou em escrever-me. O mundo, e a Coreia do Norte em particular, perdeu uma grande oportunidade de conseguir uma paz duradoura, uma grande prosperidade e riqueza”, considerou o presidente norte-americano, classificando esta “oportunidade falhada” como um “momento verdadeiramente triste na História”.

O anúncio desta quinta-feira surge depois de Trump ter admitido que havia uma“possibilidade substancial” de a histórica cimeira com Kim Jon-un ser adiada. A declaração foi feita na terça-feira depois de uma reunião com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, na Casa Branca, e Trump deixou claro na altura que a cimeira de Singapura tinha “de acontecer” e que iria beneficiar em muito a Coreia do Norte, país que devia “aproveitar a oportunidade”.

A carta que Trump enviou a Kim na íntegra

O presidente dos EUA, Donald Trump, enviou uma carta com três parágrafos. Aqui está a carta, na íntegra, em português:

maio, 24 2018

Sua excelência

Kim Jong-un

Presidente da Comissão dos Assuntos de Estado da República Popular Democrática da Coreia

Pyongyang

Caro Sr. Presidente:

Agradecemos imenso o seu tempo, paciência e o esforço que desempenhou nas recentes negociações e discussões que tivemos relativamente à cimeira que era há muito desejada por ambas as partes, que estava agendada para 12 de junho, em Singapura. Fomos informados de que a reunião foi pedida pela Coreia do Norte, mas isso para nós é totalmente irrelevante. Estava muito ansioso para me encontrar lá consigo. Infelizmente, tendo em conta a tremenda raiva e a hostilidade que demonstrou na sua declaração mais recente, sinto que é inapropriado, neste momento, termos essa reunião que estava há muito planeada. Portanto, peço-lhe que esta carta sirva para lhe comunicar que, a bem de ambas as partes, mas com prejuízo do mundo, o encontro de Singapura não se vai realizar. Você fala sobre as vossas capacidades nucleares, mas as nossas são tão massivas e poderosas que eu rezo a Deus que nunca tenhamos que as usar. 

Senti que estávamos a construir um bom diálogo e, em última análise, só esse diálogo interessa. Gostaria de encontrar-me consigo um dia. Até lá, quero agradecer-lhe a libertação dos reféns que estão agora em casa com as suas famílias. Foi um gesto bonito e muito apreciado.

Se mudar de ideias em relação a este importantíssimo encontro, por favor não hesite em ligar-me ou escrever-me. O mundo e a Coreia do Norte, em particular, perderam uma grande oportunidade de chegar à paz duradoura e a grande prosperidade e riqueza. Esta oportunidade perdida é um momento verdadeiramente triste na História. 

Atenciosamente,

Donald J. Trump

Presidente dos Estados Unidos da América