Rádio Observador

PS

João Galamba garante que sai de porta-voz do PS “a seu pedido”

348

Com João Galamba de saída, Maria Antónia Almeida Santos passa a ser a porta-voz do PS. António Costa renova orgãos nacionais. E reforça o Secretariado Nacional com vários membros do governo.

TIAGO PETINGA/LUSA

Foi a notícia a marcar o pré-arranque do 22º congresso do PS. O vice-presidente João Galamba deixa de ser o porta-voz do partido e passa a vez à dirigente socialista Maria Antónia Almeida Santos.

Em declarações aos jornalistas, à chegada à Batalha, onde decorre até domingo o conclave socialista, Galamba garantiu que sai a seu pedido: “Foi-me feito o convite para continuar e eu disse que preferia ficar no Secretariado. Não posso ser porta voz de um órgão a que não pertenço, só isso.

Não houve nenhuma divergência com ninguém.”

João Galamba vai manter-se no Secretariado Nacional, o órgão de direção formal do PS e, apesar da insistência dos jornalistas, usou esse argumento para recusar que esta alyteração signifique uma despromoção ou seja reflexo de alguma divergência:”As pessoas não têm de se eternizar nos cargos”.

A tarefa de porta-voz do PS ficará agora nas mãos de Antónia Almeida Santos que já fazia parte da Comissão Permanente de onde agora sai Galamba, o chamado “núcleo operacional” do partido, que é liderado pela secretária-geral adjunta, Ana Catarina Mendes.

Atual vice-presidente da Comissão Parlamentar de Saúde, Maria Antónia Almeida Santos é a principal responsável pelo projeto dos socialistas para a legalização da eutanásia.

O anúncio de mudanças não se ficou por aqui. É aliás no Secretariado Nacional que o líder do PS propõe mais mexidas, com uma renovação de caras e um claro reforço de membros do governo.

De entre as novidades destaca-se a chegada à direção do partido de Alexandra Leitão, a secretária de estado adjunta da Educação. Uma clara aposta na nova geração de governantes, que inclui a também secretária de estado, com a pasta do Turismo, Ana Mendes Godinho.

Nos quinze nomes que compõem a lista, há um ministro, Pedro Marques, do Planeamento e Infraestruturas e há um evidente um reforço da presença de secretários de estado que não só têm sido apontados como o futuro do partido, como têm já hoje grande peso político dentro do governo.

É o caso de Pedro Nuno Santos, secretário de estado dos Assuntos Parlamentares, e peça-chave na coordenação com os partidos que sustentam a chamada “geringonça”.

É também o caso de Mariana Vieira da Silva, a secretária de estado adjunta do primeiro-ministro e que funciona como o radar de Costa no governo.

Graça Fonseca, da Modernização Administrativa, Marcos Perestrello, da Defesa e Eurico Brilhantes Dias, que foi apoiante de Seguro e que agora está no governo com a pasta da Internacionalização, completam a lista de secretários de Estado no Secretariado Nacional, onde constam também alguns autarcas incluindo Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

Já da Comissão Permanente do PS, para além de Galamba, saiu também o deputado e dirigente socialista Porfírio Silva, que, no entanto, vai continuar no Secretariado Nacional.

A direção do partido assume que estas mudanças têm dois objetivos claros, não só renovar os orgãos nacionais como também tonificar o músculo político para preparar o calendário eleitoral de 2019: há europeias, há legislativas e também há as Regionais da Madeira, para as quais o PS não disfarça o otimismo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

PS

Não subestimem Pedro Nuno Santos /premium

Sebastião Bugalho

A ideia de que o pedronunismo se resume a um fenómeno ativista é profundamente desinformada: eles andam aí, nas agências de publicidade, nos escritórios de advogados, nas vilas de Aveiro, nas redações

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)