O veto do presidente da República italiano Sergio Mattarella ao nome do economista eurocético Paolo Savona para o cargo de ministro da Economia adensou a crise política que se vive em Itália desde as eleições de março. No centro da solução está agora Carlo Cottarelli, um ex-diretor do FMI que o presidente chamou esta manhã para uma reunião em Roma.

Após um ato eleitoral sem entendimentos em março deste ano, os partidos anti-sistema Liga e Movimento 5 Estrelas (M5S) concordaram em apresentar uma solução governativa única. A condição era escolherem, em conjunto, um nome para primeiro-ministro, em vez de avançar o líder de um ou do outro partido. A escolha recaiu sobre Giuseppe Conte.

Itália. Presidente nomeia Cottarelli para dirigir governo de gestão, mas vai haver eleições antecipadas

Contudo, Sergio Mattarella aprovou todos os nomes do governo de Conte exceto um: o do economista eurocético Paolo Savona, que é assumidamente contra a moeda única. Afirmando que a possibilidade de Itália mudar a sua posição relativamente ao Euro alarmaria investidores internacionais, Mattarella vetou Savona. E Giuseppe Conte decidiu que sem um ministro não avançaria. No domingo, apresentou a renúncia ao cargo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A braços com a nova crise governativa, o presidente italiano chamou Carlo Cottarelli, de 63 anos, para uma reunião em Roma onde o convidou para formar um governo. Nascido na cidade de Cremona, na região da Lombardia, Cottarelli começou a carreira no Banco de Itália, depois de completar um mestrado em Londres, na London School of Economics.

Mas a passagem pela esfera financeira italiana foi curta. Em 1988 mudou-se para Washington, onde ficou durante 25 anos como economista no Fundo Monetário Internacional. Até 2013, Cottarelli foi relativamente desconhecido em Itália, ano em que o primeiro-ministro Enrico Letta o chamou para ser comissário extraordinário para a revisão de despesa pública.

Giuseppe Conte, primeiro-ministro italiano renuncia ao cargo

Foi nesse cargo que ganhou a alcunha de “senhor tesouras” em Itália, devido às suas “tentativas, maioritariamente falhadas, de identificar e cortar os excessos na administração pública”, como explica o jornal italiano Repubblica. Naturalmente um tecnocrata, Cottarelli regressaria ao Fundo Monetário Internacional um ano depois por decisão do primeiro-ministro Matteo Renzi, que o nomeou diretor-executivo do FMI para Itália.

O trabalho no FMI e no Banco de Itália dá a Cottarelli — que agora, após se ter aposentado do FMI em 2017, era diretor do Observatório das Contas Públicas da Universidade Católica de Milão — as competências técnicas que Mattarella queria para um governo capaz de conduzir o país a novas eleições até ao final do ano.