Ao longo deste ano e do próximo, Portugal vai receber mais de mil refugiados, anunciou o Ministério da Administração Interna a propósito do Dia Mundial do Refugiado, que se assinala esta quarta-feira. As primeiras entrevistas de seleção dos candidatos a ser acolhidos no país vão decorrer já no início de julho, no Egito, a cargo de uma equipa do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), que irá incluir quadros do Alto Comissariado para as Migrações (ACM).

Além de centros de refugiados no Egito, a equipa do SEF irá também deslocar-se à Turquia, de acordo com o Diário de Notícias, que explica que a iniciativa se destina a integrar pessoas de países em guerra ou de regimes ditatoriais (como a Síria e a Eritreia), que fugiram para outras regiões, como Turquia, o Líbano, a Jordânia e o Egito.

Portugal é, segundo os dados divulgados pelo Ministério da Administração Interna, o sexto país da União Europeia que mais refugiados recebeu ao abrigo do Programa de Recolocação, que terminou em março deste ano. Ao todo, chegaram a solo português 1.552 pessoas, que se encontram distribuídas por 99 municípios. Portugal recebeu também um grupo de menores afegãos, não acompanhados, “no quadro de um acordo com a ONG grega Metadrasi, liderada por Lora Pappa, Prémio Norte-Sul do Conselho da Europa em 2015”.

“Portugal participa ativa e construtivamente no esforço europeu de acolhimento aos refugiados, apoiando as propostas da Comissão e da Presidência Búlgara, no sentido da construção de uma política europeia de asilo comum, assente nos princípios da responsabilidade e solidariedade, no respeito pela dignidade da pessoa humana e no combate ao tráfico de seres humanos”, referiu ainda o Ministério.