O Governo português condena “sem ambiguidades” qualquer intenção de “subverter as instituições democráticas”, a propósito da alegada tentativa de golpe em São Tomé e Príncipe na passada quinta-feira. Através do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE), o executivo afirmou esta sexta-feira que confia no respeito pelas “firmes credenciais democráticas” naquele país lusófono.

“O Governo português acompanha com atenção as notícias sobre a recente tentativa de subversão da ordem constitucional em São Tomé e Príncipe”, indica uma nota divulgada na noite de sexta-feira pelo MNE. Portugal “condena sem ambiguidades qualquer tentativa de subverter as instituições democráticas e relembra que as alternâncias governativas se devem processar no pleno respeito pela Constituição, leis fundamentais e processos democráticos do país a que dizem respeito”, adianta.

Além disso, refere a nota do Palácio das Necessidades, o executivo “confia que as firmes credenciais democráticas de São Tomé e Príncipe continuarão a ser respeitadas e reforçadas por todos os são-tomenses, num espírito de diálogo e abertura”. Portugal reitera ainda o seu “forte empenho na cooperação” com São Tomé e Príncipe, tanto a nível bilateral como multilateral.

“Cabe às autoridades de São Tomé e Príncipe conduzir as necessárias investigações e apurar responsabilidades”, considera o Governo de António Costa.

O Governo são-tomense anunciou na quinta-feira as detenções de Gaudêncio Costa, antigo ministro da Agricultura e deputado do Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe – Partido Social democrata (MLSTP-PSD), maior partido da oposição, e de um sargento das Forças Armadas, Ajax Managem, por suspeita de envolvimento numa “tentativa de subversão da ordem constitucional”.

Os dois suspeitos foram libertados e sujeitos à medida de coação de termo de identidade e residência, depois de o juiz de primeira instância Francisco Silva ter considerado que não existem provas para aplicar a medida de coação mais gravosa, a prisão preventiva.