Rádio Observador

Espanha

PSOE acusado de “oferecer” televisão pública ao Podemos com escolha para presidente

Governo de Pedro Sánchez está a ser acusado de "oferecer" a televisão e rádio públicas ao Podemos, depois de aceitar o nome do jornalista Andrés Gil para presidente da TVE. Bascos devem bloqueá-lo.

Pablo Blazquez Dominguez/Getty Images

Por algum lado teria de ceder a frágil base de apoio do governo Pedro Sánchez, que tomou posse como presidente de Governo espanhol após fazer valer uma moção de censura a Mariano Rajoy. A possível nomeação do jornalista Andrés Gil para presidente da RTVE, a radio-televisão pública espanhola, está a causar dores de cabeça ao governante socialista.

O nome de Andrés Gil, redator principal de política do Eldiario.es, jornal online tendencialmente de esquerda, foi proposto pelo líder do Podemos, Pablo Iglesias, ao PSOE, de Pedro Sánchez. Na sexta-feira, o nome daquele jornalista — que o El Confidencial explica que tem uma “relação de certa amizade” com o líder do Podemos e cuja mulher dirigiu as duas últimas campanhas eleitorais da Esquerda Unida — era dado como o resultado de um acordo entre o Podemos e o PSOE.

O anúncio de Andrés Gil foi feito por Pablo Iglesias numa entrevista à rádio Antena 3. “Parece que o nome acordado é Andrés Gil. Fico feliz que assim seja. Durante as negociações houve uma questão que ficou clara desde o princípio: a TVE tem que deixar de ser um aparelho de propaganda do partido que estiver a governar”, disse o líder do Podemos. Pedro Sánchez terá dado luz verde à proposta de Pablo Iglesias quando ainda estava em Bruxelas, na cimeira do Conselho Europeu.

No entanto, escreve o El País, este fim-de-semana está a ser marcado pelos esforços do PSOE para dar um passo atrás e encontrar outro nome que não o de Andrés Gil. Tudo porque, percebe-se agora, o nome do redator principal de política do Eldiario.es está longe de ser consensual.

PP acusa Sánchez de “oferecer” a RTVE ao Podemos

A escolha motivou críticas por parte do Partido Popular (PP). Este domingo, a ex-vice-presidente de Governo e atual candidata à liderança do PP, Soraya Sáenz de Santamaría, acusou Pedro Sánchez de querer “converter a TVE, dando ao Podemos uma nova Tuerka”, referindo-se a um programa transmitido na Internet e que é apresentado por Pablo Iglesias. “Qualquer dia ainda vemos [Juan Carlos] Monedero a apresentar o ‘Noticiário Semanal'”, acrescentou, numa alusão ao ex-apresentador do Tuerka e antigo secretário-geral do Podemos. María Dolores de Cospedal, outra candidata à liderança do PP, criticou Pedro Sánchez por “oferecer” a RTVE ao Podemos para que se “converta num aparelho de propaganda, manipulação, ódio e divisão”.

As críticas não se ficaram pela oposição. Também dentro dos partidos que dão apoio ao PSOE no Congresso dos Deputados — com 84 deputados entre 350 assentos parlamentares, os socialistas precisam do apoio de outros seis partidos para governar — parece haver um recuo face à nomeação de Andrés Gil. Entre as forças políticas que demonstraram mais mal-estar está o Partido Nacionalista Basco (PNV, na sigla espanhola), de acordo com vários relatos na imprensa espanhola. O PNV não terá gostado de não ter sido consultado pelo PSOE para dar luz verde ao nome de Andrés Gil antes de este ser anunciado publicamente — e agora não está disposto a aprová-lo.

Antes de Andrés Gil, o Podemos e o PSOE já debatiam entre si nomes para dirigir a rádio e a televisão públicas de Espanha. De acordo com o El País, o PSOE chegou a apresentar Arsenio Escolar, antigo sub-diretor do El País (tendencialmente de centro-esquerda). Para contrapor, o Podemos propôs então a nomeação Ana Padro de Vera, diretora do jornal Público (de esquerda) e ex-assessora de vários ministérios durante o governo socialista de José Luis Zapatero.

Ex-diretor nomeado pelo PP acusado de violar Constituição e sob protesto da redação

A nomeação de um novo presidente para a RTVE passou a ser uma questão premente com a saída de José Antonio Sánchez do cargo no passado dia 22 de junho. O antigo diretor, que ocupou o cargo por nomeação do Partido Popular entre 2002 e 2003 e depois de 2014 até junho de 2018, foi alvo de contestação por parte da oposição e também por algumas figuras da redação da RTVE.

Em abril, vários jornalistas da rádio e televisão públicas protestaram nas suas redações, vestindo integralmente de preto, na sequência de um bloqueio do Partido Popular e do Ciudadanos à mudança de direção na RTVE. Desde então, passou a ser habitual ver uma grande parte dos jornalistas da TVE vestidos de preto à sexta-feira, protestos semanais que ficaram conhecidos como as “sexta-feiras negras”.

Com a mudança de Governo, o presidente sob contestação acabou por sair de cena com a chegada do termo do seu contrato.

José Antonio Sánchez foi jornalista no ABC e colunista do La Razón (ambos jornais de direita), até que em 2002 foi escolhido pelo governo de José María Aznar para liderar a RTVE. No ano seguinte, com a subida ao poder do governo de José Luis Zapatero, José Antonio Sánchez foi afastado do cargo.

Na altura, os socialistas apontaram-lhe o dedo por “impor a censura” e acusaram-no de, “por ação ou omissão,” ser culpado de uma “constante violação” do 20º artigo da Constituição espanhola, que diz respeito à liberdade de informação. Ao ser destituído, José Antonio Sánchez afastou-se então do jornalismo, com uma passagem entre 2004 e 2011 na Telefonica. Em 2011, assumiu o cargo de diretor de informação da Telemadrid. Desempenhou esse cargo até 2014, ano em que um Governo do Partido Popular (desta vez liderado por Mariano Rajoy) voltou a chamá-lo para presidir à RTVE.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)