Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Podia ter sido uma normal reunião da bancada do PSD no Parlamento, que se realiza de 15 em 15 dias. Mas era a última antes das férias grandes, e talvez por isso tenha sido o palco escolhido para alguns deputados fazerem críticas à direção de Rui Rio. Foi o caso de Hugo Soares, que fez aquilo que foi descrito por alguns presentes como “uma intervenção arrasadora”. Segundo relatos feitos ao Observador, a intervenção foi crítica da posição do PSD na discussão que se avizinha sobre o Orçamento do Estado, e levou Fernando Negrão a admitir perante os deputados que o voto do PSD iria ser contra, embora ainda não seja conhecido o documento do Governo.

Ao que o Observador apurou, Hugo Soares criticou a posição “ambígua” do PSD, que tem mantido aberta a possibilidade de vir a viabilizar o Orçamento caso a “geringonça” falhe, dizendo que tal só beneficia o PCP e o Bloco de Esquerda — e, no final da sua intervenção, Fernando Negrão terá assumido o voto contra. Ou pelo menos foi isso que os deputados presentes na reunião entenderam, embora, aos microfones, Negrão tenha sido mais cauteloso, lembrando que o documento ainda não é conhecido, razão pela qual o sentido de voto do PSD é apenas “tendencialmente contra”. A verdade é que Rui Rio nunca deu essa garantia clara aos deputados, tendo deixado vivo o tabu de que o PSD pode vir a funcionar como boia de salvação do governo de António Costa depois de um dos seus ministros-sombra, Silva Peneda, ter dito numa entrevista que o PSD devia dar a mão ao governo caso a geringonça não chegasse a entendimento no último orçamento da legislatura.

Hugo Soares criticou a posição de direção de Rui Rio em relação ao orçamento

“Todos os sinais são no sentido de que a votação poderá ser contra”, confirmou depois o líder parlamentar aos jornalistas no final da reunião, quando confrontado com o facto de o tema do Orçamento ter sido levantado dentro de portas. Negrão sublinhou que, tal como Rui Rio tem dito, o documento ainda não é conhecido, pelo que não se pode antecipar já o sentido de voto. Mas tudo indica que o voto será contra. “Sabemos que o OE vai numa lógica de acordo com o PCP e o BE, que defendem políticas opostas à nossa, pelo que tendencialmente o voto do PSD deverá ser contra”, disse.

No final da reunião, o líder parlamentar esclareceu ainda que as alterações à lei laboral, previstas no acordo de concertação social firmado entre o Governo, sindicatos e confederações patronais, que não colhem o apoio dos parceiros da “geringonça”, não foram discutido na reunião dos deputados porque o tema vai ser empurrado para setembro. “A discussão na especialidade foi remetida para setembro, amanhã o tema vai ser discutido mas não vai ser votado”, disse, confirmando que a proposta do governo e os projetos de alteração apresentados pelos restantes partidos vão descer todos sem votação no debate parlamentar que está marcada para esta sexta-feira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Certo é que o PSD tem mostrado disponibilidade para aprovar as alterações à legislação laboral que saíram da concertação social, por respeito à concertação social, não estando disponível para aprovar eventuais alterações a esse mesmo acordo. “Até porque já ouvimos vários parceiros dizer que se houver alterações saem do acordo”, disse Fernando Negrão.

Críticas à reação à Operação Tutti Frutti

Esta foi a primeira reunião da bancada do PSD depois de, há duas semanas, Rui Rio e o grupo parlamentar terem chocado de frente devido à votação do projeto de lei do CDS sobre a redução do imposto sobre combustíveis. O “raspanete” público que Rio deu aos deputados sobre esse tema foi mencionado por alguns deputados na reunião, que criticaram a forma como a direção do partido manifestou o seu desagrado pelo sentido de voto do PSD.

Bancada aprovou “à revelia” de Rio projeto de lei sobre combustíveis

Além da questão do Orçamento, Hugo Soares também fez críticas à forma como o partido reagiu, na semana passada, à mega-investigação judicial intitulada Operação Tutti Frutti, que investiga práticas de gestão em várias autarquias, nomeadamente em juntas de freguesia de Lisboa (três delas do PSD). Segundo relatos feitos ao Observador, o ex-líder parlamentar, próximo de Luís Montenegro, classificou a conferência de imprensa do secretário-geral José Silvano sobre esse tema de “desastrosa”, por ter colocado o foco da investigação no PSD “afastando-o de Fernando Medina”, cujo gabinete também foi alvo de buscas.

O deputado Miguel Morgado também terá dito que as declarações de Silvano foram “menos do que infelizes”. Mas não se ficou por aqui: criticou a postura da direção de Rui Rio, acusando-a de estar a “desvirtuar o modo de fazer oposição” do PSD, parecendo que “querem arrasar o PSD e perder eleições desde já”. Segundo apurou o Observador, Miguel Morgado, que foi também assessor político de Passos Coelho, criticou ainda o facto de haver “dois PSDs”: o que quer ser alternativa ao PS e o que acredita que o PSD se deve confundir com o PS. Nesse ponto da reunião, Fernando Negrão e Miguel Morgado tiveram até uma discussão “ideológica” sobre o que deve ser o PSD e a social-democracia. Outros relatos feitos ao Observador apontam para o facto de a reunião ter sido mais calma e tranquila do que se podia esperar, por ser a última da sessão legislativa, e a primeira desde que vieram a público os problemas de articulação entre a bancada e a direção do partido.