Em 1899, nove homens juntaram-se em Piemonte, no norte de Itália, para fundar a Fabbrica Italiana Automobili Torino – que é como quem diz, a FIAT. Entre esses nove homens estava Giovanni Agnelli, um empresário da pequena cidade de Villar Perosa. Depois de terminar os estudos e ingressar na carreira militar, Giovanni interessou-se por um novo projeto de uma “carruagem sem cavalos”. Quando lhe perguntaram se queria investir, não hesitou.

Giovanni Agnelli, filho do presidente da câmara de Villar Perosa, foi o início da dinastia dos Agnelli. Conhecidos como “os Kennedy de Itália”, são uma das famílias mais importantes e influentes do país do sul da Europa, tanto ao nível empresarial como no cerne do jet-set. Os Agnelli são detentores de quase 30% do grupo FIAT, que por vez inclui marcas como a Ferrari (que é gerida de forma independente, e por isso a família detém 23% da marca do cavalinho), a Abarth, a Alfa Romeo, a Lancia e a Maserati. Em 2009, a FIAT comprou o grupo Chrysler – pelo que passaram a deter as marcas Chrysler, Dodge e Jeep.

Mas se a ligação ao setor automóvel começou cedo e se desdobrou nas últimas décadas, existe um vínculo que se mantém intocável desde 1923. Nesse ano, a FIAT adquiriu o clube de futebol Juventus. Ou seja, a família Agnelli é a nova chefe de Cristiano Ronaldo.

Gianni Agnelli, aqui com Henry Kissinger, foi um dos elementos da família que passaram pela presidência da Juventus.

Desde que os Agnelli são donos do clube de Turim, por lá passaram quatro presidentes da própria família: Edoardo, entre 1923 e 1925, Gianni, entre 1947 e 1954, Umberto, pai do atual presidente, entre 1955 e 1962, e agora Andrea, desde 2010. Foi Andrea Agnelli quem, esta terça-feira, embarcou num jato privado, a partir do aeroporto de Pisa, rumo ao sul da Grécia, para se reunir com Cristiano Ronaldo.

Andrea assumiu a presidência do clube depois do pior momento da história da Juventus. Em 2006, rebentou o escândalo de corrupção que envolvia o clube de Turim num esquema de suborno a árbitros e futebolistas adversários. A Juventus foi despromovida para a segunda divisão italiana e perdeu os scudettos conquistados em 2005 e 2006, com o treinador FabioCapello. O então presidente, Luciano Moggi, foi destituído e Andrea Agnelli arregaçou as mangas, rodeou-se de dirigentes que já tinha passado pelo clube e devolveu a glória de outros tempos à Juventus.

John Elkann, aqui com o primo Andrea Agnelli, é o atual líder dos destinos da família.

Além do regresso à Serie A, dos sete títulos italianos consecutivos, das duas finais europeias em três anos (ainda que ambas perdidas), Andrea Agnelli é responsável pela construção do Juventus Stadium – conhecido por Allianz Stadium por motivos comerciais -, o que torna o clube de Turim o único emblema italiano que possui o próprio estádio.

Atualmente, grande parte dos destinos da família é controlada por John Elkann, trisneto de Giovanni Agnelli. O presidente da FIAT e CEO da Exor, a empresa de investimento através da qual os Agnelli controlam financeiramente a maioria dos negócios, foi escolhido pelo avô Gianni para comandar e chefiar as operações da família quando tinha apenas 21 anos. O irmão mais novo, Lapo, é responsável pela quota parte de escândalos que coloca o apelido Agnelli nas capas das revistas cor de rosa italianas.

Aos 40 anos, Lapo Elkann é o enfant terrible da família.

Depois de trabalhar enquanto assistente pessoal de Henry Kissinger e nos departamentos de marketing da Maserati e da Ferrari, Lapo acabou por ser mesmo promovido a diretor de marketing da FIAT e coordenou a produção do novo FIAT Punto e da versão moderna do FIAT 500. Abandonou a função em 2005, quando se tornou público que tinha sofrido uma overdose de heroína e cocaína. No ano seguinte, a Vanity Fair noticiou que Lapo Elkann tinha sido encontrado nu e inconsciente no apartamento de uma prostituta transsexual.

Avaliada em 11.500 milhões de euros, a fortuna dos Agnelli não está investida apenas no setor automóvel. Em agosto de 2015, adquiriram 50% da revista The Economist à britânica Pearson, por 655 milhões de euros. Antes disso, já possuíam o controlo do principal jornal de Turim, o La Stampa, e já tinham assumido o papel de principal investidor da editora do Corriere della Sera, o jornal com maior circulação em Itália.