População e Censos

Portugal pode perder mais de 2 milhões de habitantes até 2060

160

A OCDE prevê que a população portuguesa vai diminuir substancialmente nas próximas décadas. Só a Lituânia, a Letónia e o Japão estão em pior situação.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Portugal pode perder mais de dois milhões de habitantes até 2060, mais ainda na população em idade ativa, estima a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), o que tornaria Portugal no quarto país que mais habitantes perderia entre os 36 países da OCDE, em termos relativos. Só a Lituânia, a Letónia e o Japão estariam piores que Portugal.

Como seria o mundo em 2060? A OCDE quis fazer uma previsão a mais longo prazo que o habitual – o que também significa que a incerteza em torno das previsões é maior –, mas na ausência de mudanças nas políticas que estão a ser seguidas, no caso de Portugal, as perspetivas não são animadoras.

A grande mudança é na população. Com as tendências demográficas habituais, a população portuguesa deverá diminuir de forma progressiva dos 10,6 milhões registados em 2010 para 9,6 milhões em 2040 e para os 8,6 milhões em 2060. Ou seja, uma redução de 19,2% no total da população entre 2010 e 2060.

Esta redução teria, naturalmente, um impacto significativo no mercado de trabalho português. De acordo com a OCDE, a população em idade ativa – os habitantes entre os 15 e os 74 anos – diminuiria em cerca de 2,4 milhões, o que significaria uma redução de quase 30% da população neste escalão etário.

Neste caso, Portugal deixa de ser o quarto pior país e passa a ser o quinto, porque a Grécia, que estava muito perto de Portugal na redução da população total, em termos relativos, apresenta uma redução ligeiramente mais acentuada.

A única boa notícia, no que à população diz respeito, é que Portugal é dos países em que se espera que exista um maior aumento do número de mulheres a entrar no mercado de trabalho, segundo a Organização, por oposição do número de mulheres que saem da idade ativa, mas não fazem parte do mercado de trabalho.

A redução da população total e, em especial, da população em idade ativa colocaria maior pressão sobre as contas da Segurança Social, devido à forma como está montado o sistema que assenta na contribuição das novas gerações para garantir as pensões a pagamento. Com menos pessoas a contribuir será mais difícil garantir as receitas para cobrir as necessidades do sistema.

Apesar de em termos relativos, o caso de Portugal estar entre os mais graves, há países em situações significativamente mais dramáticas. Um destes casos é o da Lituânia, que nas previsões da OCDE deve perder mais de 41% da sua população, e 50,2% da população ativa. A Letónia também apresenta valores semelhantes.

O caso do Japão, em termos absolutos, é ainda mais dramático. Nas contas da OCDE, o Japão, com uma das populações mais envelhecidas do mundo, deverá ter menos 26 milhões de habitantes em 2060 do que tinha em 2010, sendo que a população entre os 15 e os 74 anos deverá diminuir em 33,2 milhões.

Ou seja, a população japonesa passaria dos 128 milhões verificados em 2010 para 102 milhões em 2060. Já a população entre os 15 e os 74 anos passaria de 97,1 milhões, para 63,9 milhões.

Portugal está também na cauda dos países da OCDE no que diz respeito à taxa de poupança. Nas previsões da organização, depois de uma queda até ao ano de 2010, altura em que terá atingido os 10% do PIB, a poupança até deverá aumentar até aos 16% do PIB em 2020.

No entanto, daí para a frente, as perspetivas não são animadoras. Esta taxa deve cair de forma progressiva até 2060, altura em que deverá atingir os 6%. Pior que Portugal nessa altura só a Grécia, onde a taxa de poupança projetada é de 1% do PIB. A Polónia estaria empatada com Portugal. O contraste não podia ser maior. Na média dos países da OCDE, a poupança deve aumentar até aos 22% do PIB.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)