O endividamento total da economia portuguesa atingiu um novo recorde em maio, em termos nominais, com a soma do que devem Estado, famílias e empresas a ascender a 724,7 mil milhões de euros.

“Em maio de 2018, o endividamento do setor não financeiro situava-se em 724,7 mil milhões de euros, dos quais 322,4 mil milhões respeitavam ao setor público e 402,3 mil milhões ao setor privado”, informou o Banco de Portugal no boletim estatístico divulgado esta quinta-feira.

O valor agora divulgado, relativo a maio, compara com os 720,3 mil milhões de euros em dívida que existia no mês homólogo do ano anterior (maio de 2017). A subida do endividamento nos últimos meses deve-se, sobretudo, ao aumento da dívida das administrações públicas, um resultado da emissão de dívida que a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) está a fazer para aproveitar as condições de mercado (provavelmente) mais favoráveis nos primeiros meses do ano — enquanto parte dessa nova dívida não servir para reembolsar dívida antiga, o valor total sobe.

Centeno garante que dívida pública é sustentável, mas Portugal deve manter rigor

Já “relativamente a abril de 2018, o endividamento do setor não financeiro aumentou mil milhões de euros, em resultado do incremento de 300 milhões de euros no endividamento do setor público e de 700 milhões de euros no endividamento do setor privado”, acrescenta o Banco de Portugal.