Mesmo com a maior coima alguma vez aplicada pela Comissão Europeia à Alphabet (a “empresa-mãe” da Google), num valor de 4,3 mil milhões de euros, a tecnológica apresentou resultados positivos no segundo trimestre do ano: receitas de 22,6 mil milhões de euros e lucros de 2,3 mil milhões de euros.

O que pode ser mais surpreendente neste número, como revela o The Guardian, é terem já em conta o valor da multa de Bruxelas. Ou seja, se não fosse o valor a pagar à União Europeia, a tecnológica estaria a apresentar lucros de 6,3 mil milhões de euros.

“É mais um trimestre de resultados muito sólidos”, afirmou Ruth Porat, diretor financeiro da Alphabet e da Google, num comentário aos números apresentados pela empresa. No período homólogo, em 2017, a tecnológica apresentou receitas de 3,5 mil milhões de euros (nesse ano a tecnológica também teve uma coima multimilionária).

A Google foi sancionada na semana passada pela Comissão Europeia por práticas desleais de concorrência por obrigar alguns fabricantes de smartphones a terem pré-instaladas aplicações da empresa no sistema operativo Android. A Google ainda vai recorrer da decisão e afirma que “o Android criou mais escolha para todos”. Já a Comissão, afirma que estas práticas “são ilegais” e que cimentam “a posição dominante” da tecnológica no mercado mobile e nos motores de pesquisa.

Mesmo com a coima a ser aplicada, as ações da empresa não sofreram grande impacto, tendo subido 6% horas depois da decisão ter sido anunciada.